Consórcio representa 0,6% das vendas de imóveis em SP

A utilização do sistema de consórcio para adquirir um imóvel é extremamente baixa em São Paulo, segundo o Conselho Regional de Corretores de Imóves (Creci-SP), que detectou que apenas 0,6% do total de unidades usadas são vendidas no Estado através desta modalidade. O conselho informou também que apenas 35% dos seus corretores credenciados trabalham com esse mecanismo de crédito.Entre os principais motivos para a baixa utilização do consórcio está o desconhecimento sobre as características operacionais do produto, de acordo com pesquisa realizada pelo Creci, que ouviu mais de mil corretores em 37 cidades do Estado, inclusive a capital. Quase metade do total de entrevistados (47%) tem pouquíssimo ou nenhum conhecimento sobre o sistema, apesar de a grande maioria (93%) já ter ouvido falar dele.Para o conselho, o consórcio é benéfico em casos específicos como alternativa ao Sistema de Financiamento Habitacional do governo, como por exemplo quando há uma boa reserva financeira que possa ser dada como lance no grupo de consórcio ou mesmo para aqueles que não precisam de um imóvel imediatamente. Apesar disso, a pesquisa verificou que há pouca procura por consórcios imobiliários.Entre os clientes que consultaram seus corretores a respeito de consórcios de imóveis entre os meses de junho e julho, o sistema mais lembrado foi o da Porto Seguro, com 16,31% do total. O consórcio Rodobens ficou em segundo, com 7,65%, seguido pela Caixa Econômica Federal (CEF), com 6,3%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.