Consórcio vai acionar invasores de Belo Monte na Justiça

O Consórcio Construtor Belo Monte (CCBM) promete acionar a Justiça em relação à invasão por dezenas de lideranças indígenas e ativistas a um dos escritórios nos canteiros da Usina de Belo Monte em Altamira do Pará, no fim da tarde do último sábado, 16. Foram quebrados computadores, mesas, cadeiras e queimados documentos.

FÁTIMA LESSA, Agencia Estado

18 de junho de 2012 | 11h15

O CCBM registrou um boletim de ocorrência na delegacia do município. A Polícia fará levantamento dos danos e irá apurar se houve saque ou apenas vandalismo.

Por meio da assessoria, o Consórcio observou que já havia uma liminar proibindo o acesso de manifestantes ao sítio da empresa.

A invasão ao escritório é a segunda manifestação ocorrida em Belo Monte durante a realização do Xingu+23, evento paralelo à Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável, no Rio de Janeiro, a Rio+20. O Xingu+23 é uma espécie de conferência com uma série de atividades e debates em comemoração aos 23 anos de resistência contra Belo Monte, que acontece em Santo Antônio, a 50 km de Altamira.

Na primeira manifestação, na quinta-feira passada, cerca de 200 pessoas, entre indígenas, agricultores e pescadores afetados pela construção da usina hidrelétrica de Belo Monte, ocuparam durante todo o dia o local onde a barragem será construída, próximo à vila de Santo Antônio. No local, o consórcio ergue uma espécie de barragem de terra conhecido por ensecadeira.

O Movimento Xingu Vivo para Sempre (MXVPS), em nota, nega incentivo às manifestações de quebra-quebra. O MXVPS é organizador e coordenador do encontro Xingu+23. "A ação dos indígenas foi realizada de forma independente. Alguns participantes do evento decidiram, por conta própria, apoiar o ato dos indígenas. Em nenhum momento a ação foi incentivada pela coordenação do evento", declaram em nota.

Tudo o que sabemos sobre:
Belo Monteinvasãoprocesso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.