finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Consórcios crescem 30,8% em 2010 no Brasil

O desempenho considera os segmentos de veículos automotores em geral (pesados, leves, motos), imóveis, eletroeletrônicos e serviços

Agência Estado,

15 de fevereiro de 2011 | 15h39

O volume de negócios gerado pelo sistema de consórcios no Brasil cresceu 30,8% em 2010 em relação ao ano anterior, para R$ 63,2 bilhões, de acordo com dados divulgados pela Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac). No mesmo intervalo, as vendas de novas cotas de consórcios aumentaram 8,2%, atingindo recorde de 2,12 milhões de unidades. O desempenho considera os segmentos de veículos automotores em geral (pesados, leves, motos), imóveis, eletroeletrônicos e serviços.

Em dezembro, o número de participantes ativos no sistema somou 4,06 milhões de pessoas, mostrando expansão de 6,8% em relação a um ano antes. De janeiro a dezembro, as contemplações aumentaram 4,4%, para 980,6 mil - outro recorde.

Em nota, a entidade informa ainda que no ano passado os ativos administrados do Sistema de Consórcios foram estimados em R$ 89 bilhões, registrando expansão de 14,1% frente ao ano anterior. Em relação a 2006, a performance representa avanço de 64,8%. Os recebíveis cresceram 61,7% no mesmo intervalo, passando de R$ 47 bilhões para R$ 76 bilhões, enquanto as disponibilidades aumentaram 85,7%, para R$ 13 bilhões.

"Quando projetávamos para 2010 um crescimento entre 6% e 8% nas novas vendas, fomos, além de conservadores, mais cuidadosos em relação ao volume de negócios. A expectativa era, no mínimo, superar 2009 com os mesmos percentuais", lembra Paulo Roberto Rossi, presidente executivo da Abac. Segundo o executivo, entretanto, a estabilidade econômica, maior presença das classes sociais C e D e a segurança no emprego, com eventual aumento de renda para pessoas economicamente ativas, impulsionaram o valor do tíquete médio de vários setores.

Diante da migração que vem ocorrendo entre as classes sociais, com brasileiros da classe D transferindo-se para C, e os da C indo para B, os especialistas da Abac projetam um crescimento nos consórcios entre 7% e 8% nos negócios com novas cotas, acrescentou o executivo.

Tudo o que sabemos sobre:
consórcioAbacPaulo Roberto Rossi

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.