Consórcios: IPI único aumentaria inadimplência

As administradoras de consórcios são contrárias à possível unificação das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) dos veículos, em negociação entre o governo federal e as montadoras, e acreditam que a medida vai aumentar a inadimplência no setor. "Somos contrários a todas as medidas que possam prejudicar o consumidor, que é o nosso cliente", afirmou a nova presidente da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios (Abac), Consuelo Amorim. "Quem vai pagar a conta, mais uma vez, é o de menor poder aquisitivo", completou o ex-presidente da entidade e atual consultor da Abac, Eriodes Battistella. Em sua opinião, a unificação das alíquotas - hoje de 10% para os veículos 1.0 e de 25% para os demais modelos -, além de encarecer os produtos, vai causar o aumento da inadimplência nos grupos de consórcios de carros, que hoje está em torno de 12% entre os participantes contemplados. Battistella afirmou ainda que a mudança serve os interesses das montadoras, que pretendem aumentar sua margem de lucro nas vendas. "Somos favoráveis a uma reforma tributária mais ampla e achamos que o governo não pode ficar intervindo em setores específicos", disse.A Abac ainda não decidiu que medidas vai adotar para marcar seu posicionamento contrário à alteração. Segundo Consuelo, o assunto estará na pauta da primeira reunião da nova diretoria da entidade, prevista para o início do próximo mês. A presidente da Abac informou que, caso a unificação do IPI dos veículos seja aprovada, uma das alternativas para evitar o aumento das mensalidades dos consórcios seria alongar os prazos dos grupos em andamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.