Constantino deixa presidência da Gol

Paulo Kakinoff, atual presidente da montadora Audi, vai comandar a empresa aérea, que passa por um momento de reestruturação

CLEIDE SILVA, MARINA GAZZONI, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2012 | 03h05

A Gol terá novo comando a partir de julho. Constantino de Oliveira Junior, de 43 anos, será substituído na direção da companhia aérea por Paulo Sérgio Kakinoff, de 38 anos, que está se desligando da presidência da Audi do Brasil, segundo informou a montadora.

Oliveira é filho do fundador da Gol, Nenê Constantino, e está à frente da administração da empresa desde sua criação, em 2001. Ele permanecerá no Conselho de Administração, do qual já é membro. Procurada, a Gol não confirmou a informação.

Dois executivos do setor aéreo disseram ao Estado que a troca no comando da Gol já era esperada. "A empresa vinha com resultados ruins e ele não estava conseguindo reverter. Vinha sendo muito pressionado", disse um deles.

A mudança ocorrerá no momento em que a Gol passa por amplo processo de reestruturação. Depois de um prejuízo de R$ 710 milhões em 2011, a companhia adotou estratégia mais conservadora: cortou cerca de mil vagas, eliminou aproximadamente 100 voos diários deficitários e vai chegar ao fim deste ano com uma frota menor.

Kakinoff já é conhecido da família Constantino e está a par da situação da Gol. O executivo é conselheiro independente da companhia aérea desde 2010.

Estagiário. Kakinoff fez carreira na Volkswagen do Brasil, onde iniciou a vida profissional como estagiário aos 18 anos. Formado em administração de empresas, comandou as áreas de vendas e de marketing.

Aos 32 anos, foi para a matriz alemã do grupo, como diretor executivo para a América do Sul. Ficou apenas dois anos e voltou ao Brasil, convidado para presidir a Audi, empresa do grupo Volkswagen que atua no segmento de carros de luxo e precisava ser revigorada.

No meio automobilístico, Kakinoff era visto como "um prodígio" por ter conquistado diversos postos antes de chegar aos 40 anos. Muitos viam nele um forte candidato a presidir, futuramente, a Volkswagen do Brasil.

A Audi vendeu 1.642 automóveis no País neste ano (6,7% a mais que em 2011) e será comandada, a partir de 2 de julho, pelo atual diretor de marketing e vendas, Leandro Radomile.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.