Construção de novas moradias nos EUA tem forte alta

O início de construções de novas moradias nos Estados Unidos cresceram no maior ritmo em mais de três anos em junho, dando um sinal positivo para uma economia que tem mostrado sinais preocupantes de esfriamento.

Reuters

20 de julho de 2012 | 13h30

O Departamento do Comércio informou nesta quarta-feira que o início de novas construções subiu 6,9 por cento no mês passado, para uma taxa anual ajustada de 760 mil unidades. Essa foi a maior taxa desde outubro de 2008.

A leitura, que é propensa a revisões significativas, veio acima da expectativa em pesquisa da Reuters de 745 mil unidades.

O mercado imobiliário norte-americano, que quebrou há seis anos, tem sido um ponto relativamente positivo na economia este ano, apesar de continuar sendo prejudicado por um excesso de casas à venda.

O chairman do Federal Reserve, banco central dos EUA, Ben Bernanke, disse na terça-feira que o setor mostrou uma melhora modesta.

As revisões de dados de início de construções de meses anteriores também mostraram melhora. Em maio, houve alta para 711 mil unidades ante 708 mil unidades previamente reportado. A leitura de abril também teve uma leve revisão para cima.

Ainda assim, a economia norte-americana tem se mostrado muito mais instável, e o setor imobiliário é agora tão pequeno que oferece um apoio limitado. De fato, se a recuperação não der certo e o país cair novamente em recessão, esse setor também sofrerá.

O chairman do banco central dos Estados Unidos afirmou a parlamentares na terça-feira que a recuperação econômica dos Estados Unidos está sendo pressionada por ansiedade sobre a crise da dívida europeia e pelo caminho de política fiscal dos Estados Unidos. Medidas de contenção planejadas pelo governo para 2013 colocariam o país em recessão, segundo Bernanke.

O relatório do Departamento do Comércio mostrou que o aumento no início de novas construções em junho foi em todo o setor, com o início de construções de casas para apenas uma família avançando 4,7 por cento. Esse segmento representa a maior parte do mercado. Início de construção de moradias para várias famílias --uma das leituras mais voláteis do relatório-- subiu 12,8 por cento.

Novas permissões para construção de moradias caíram 3,7 por cento em junho, para 755 mil unidades.

(Reportagem de Jason Lange)

Tudo o que sabemos sobre:
MACROEUACONSTRUCAOATUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.