Construção paulista voltou a contratar em fevereiro

A indústria da construção do Estado de São Paulo fechou 3,2 mil vagas de emprego entre fevereiro do ano passado e fevereiro de 2001. O número representa uma queda de 0,91% em relação ao mesmo período de doze meses anterior, de acordo com pesquisa realizada pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon-SP). Apesar do recuo, o total de empregos do setor em fevereiro deste ano apresenta ligeira melhora (0,25%) em relação ao mês de janeiro, já que foram abertas 855 vagas. Atualmente, a construção civil do Estado emprega 349,3 mil, ainda segundo dados do Sinduscon-SP.De acordo com o sindicato, o segmento que mais cortou vagas no período entre fevereiro de 2003 e fevereiro de 2002 foi o de edificações, com a eliminação de 7 mil postos, uma queda de 6,46%. O segmento de engenharia e arquitetura, que fechou 1,6 mil vagas, apresentou queda de 4,87% em relação ao mesmo comparativo do ano anterior. O segmento de infra-estrutura apresentou uma alta de 6,39% no volume de postos de trabalho, depois da abertura de 4,77 mil novas vagas.ConcentraçãoAs regiões onde houve queda mais acentuada no emprego do setor de construção civil foram a metropolitana de São Paulo, com corte de 4,6 mil postos (-2,34%), seguida pela região Sudeste do Estado - área de São José dos Campos -, com recuo de 1,12% no volume total de empregos.Segundo o Sinduscon, o total de empregos na construção civil no País sofreu queda de 0,39% em janeiro, na comparação com o mês anterior, já que houve redução de 4,53 mil vagas. Em relação a janeiro de 2002, a queda é mais acentuada, de 2,37%, pois foram fechados 28,1 mil postos. Atualmente, o setor conta com 1,16 milhão de trabalhadores formais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.