Construtora não deve pagar despesa condominial

A construtora não deve arcar com as despesas condominiais contraídas pelo comprador do imóvel, mesmo que a certidão de transferência do bem ainda não tenha sido passada em cartório. Essa é a decisão da Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) que decidiu por unanimidade que apenas o comprador, usufrutuário do imóvel, deve ser cobrado por tais despesas. A decisão abre precedente a outras ações sobre a mesma questão.Em maio de 1996, o condomínio do Edifício Residence Place Vendome localizado em Curitiba, na rua Francisco Rocha, entrou na Justiça contra a Construtora Gustavo Berman Ltda. O condomínio pretendia receber R$ 10.150,00 referentes às despesas condominiais dos períodos de setembro a dezembro de 1995 e de fevereiro a maio de 1996. De acordo com o condomínio, este valor deveria ser pago pela construtora. A empresa de construção, em sua defesa, apresentou um contrato particular de promessa de compra e venda do referido imóvel. Pelo documento, o apartamento havia sido vendido para José Luis Vasilakis e sua mulher, Maria Angélica Queiroz Vasilakis, em dezembro de 1992. A construtora justificou que vendeu o apartamento mas não registrou a transação em cartório, pois, pelo contrato, "a escritura definitiva seria passada no cartório somente após o comprador integralizar o pagamento do preço".O casal ocupou o imóvel no período em que as despesas condominiais não teriam sido pagas. Porém, devido à rescisão do contrato antes da quitação da dívida, a escritura não foi passada para o seu nome. Por outro lado, a empresa sustenta, que mesmo o casal não tendo recebido a escritura deve pagar as despesas referentes ao período em que utilizou o imóvel, pois "conforme as regras do condomínio e a Lei 4.591 de 1964, as taxas condominiais são de responsabilidade exclusiva de quem usufruiu das instalações do condomínio".STJ mantém decisão das primeiras instânciasTanto em primeira quanto em segunda instâncias, decidiu-se que "o promitente-vendedor não é responsável pelo pagamento das taxas condominiais do imóvel vendido". O condomínio recorreu ao STJ sustentando que "a responsabilidade assumida pelo suposto comprador, pode ter eficácia entre as partes contratantes, mas não atinge as relações com terceiros", visto que não foi celebrada em cartório. O condomínio ainda explica por que entrou na Justiça contra a construtora e não contra o casal que ocupava o imóvel naquele período com o seguinte argumento: "a propriedade imobiliária transfere-se unicamente através da transcrição do título ´contrato ou escritura de compra e venda´, no registro imobiliário, é o artigo 530, inciso I, do Código Civil".No STJ, o ministro Ari Pargendler, relator do processo, confirmou as decisões anteriores. O relator explicou que ficou comprovada a utilização do imóvel pelo casal e, por isso, mesmo a certidão não tendo sido passada em cartório, a dívida referente ao determinado período deve ser cobrada dos usufrutuários. Portanto, o condomínio deve entrar com uma ação de cobrança contra o casal e não contra o condomínio.

Agencia Estado,

28 de setembro de 2001 | 09h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.