Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Construtoras iniciam campanha de vendas de imóveis com descontos a partir de R$ 3 mil

Iniciativa terá duração de 60 dias e vale para imóveis de todos os padrões, desde moradias do Minha Casa Minha Vida até empreendimentos de alto padrão

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 12h46

O setor de construção está começando nesta quinta-feira, 23, uma campanha nacional de venda de imóveis com descontos de, no mínimo, R$ 3 mil. Batizada de "Vem Morar", a iniciativa terá duração de 60 dias e vai valer para imóveis de todos os padrões, desde moradias do programa Minha Casa Minha Vida até empreendimentos de alto padrão, onde os descontos poderão ser maiores.

A campanha foi anunciada em conferência online com jornalistas realiza pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) e pela Associação Brasileira das Incorporadoras Imobiliárias (Abrainc). A Caixa Econômica Federal também está apoiando a divulgação da promoção. A medida já havia sido antecipada pelo Estadão/Broadcast em 9 de abril.

A intenção da campanha é dar uma injeção de ânimo aos consumidores, combinada com o pacote de incentivos anunciado há algumas semanas pela Caixa. O banco estatal concedeu seis meses de carência para o início do pagamento de novos empréstimos para aquisição da casa própria em meio à pandemia do coronavírus

Além disso, decidiu antecipar recursos para obras das construtoras e paralisou por três meses o pagamento de financiamentos que já estavam em andamento, entre outras medidas.

Ao todo, o pacote da Caixa totaliza R$ 43 bilhões, considerando a concessão de crédito novo, antecipação de recursos e pausas na amortização. Como contrapartida, as empresas de construção se comprometeram a não demitir, preservando um total estimado de 1 milhão de empregados no setor.

"Numa campanha como esta, estamos tentando restabelecer o que tínhamos planejado. Não é um acréscimo, mas sim uma tentativa de manter o plano de vendas", afirmou o presidente da CBIC, José Carlos Martins, referindo-se à queda abrupta das vendas após o fechamento dos estandes em muitas cidades devido aos decretos locais para restrição da circulação de pessoas.

"As vendas permitirão um novo ciclo de lançamentos futuramente e vai ajudar a preservar os empregos", argumentou o presidente da Abrainc, Luiz França. "Quando acaba um ciclo de obras e um novo ciclo começa, os funcionários continuam trabalhando em novos canteiros."

O setor da construção tem 87% dos canteiros de obras em atividade. Entre os 600 mil operários, em torno de 600 são suspeitos de terem contraído o coronavírus e penas 4 casos foram confirmados, sem ocorrência de mortes até aqui, de acordo com o presidente da Abrainc.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.