Consultor recusa-se a revelar investidores interessados na Varig

O consultor Jaime Toscano, que diz ter proposta de financiamento com opção de compra da Varig no valor de US$1,9 bilhão recusou-se a revelar o nome dos investidores que podem estar ligados ao projeto. Toscano, dono da empresa Coas - Consultores Associados, sediada em São Paulo esteve nesta terça-feira reunido no Rio de Janeiro com sindicatos de trabalhadores da Varig. Segundo ele, o termo de confidencialidade é uma das condições do negócio. Ele disse que é "investidor minoritário" do projeto, e que os nomes dos demais investidores só seriam divulgados em uma Segunda etapa do processo quando a opção de compra estiver definida. O projeto prevê que os valores serão injetados na Varig em parcelas mensais durante seis meses e os investidores ficariam como contrapartida com debêntures (título de renda fixa emitido por sociedade anônima para tomar empréstimo no mercado) conversíveis em ações. A decisão de compra ou não da companhia aérea ocorreria apenas entre outubro e novembro. Contato inicial Questionado se enviaria a proposta à Justiça, respondeu que isso caberia somente ao devedor ou aos credores. A presidente do Sindicato Nacional dos Aeronautas, Graziela Baggio disse, após a reunião, que este foi um contato inicial, e que os entendimentos serão retomados amanhã para detalhamento da proposta. Ela explicou que até a próxima sexta-feira os sindicatos decidirão se encaminharão ou não a proposta à Justiça. Toscano afirmou que acredita que os sindicatos encaminhem o projeto. "Diante da exposição que a Varig está tendo, as propostas que aparecem acabam sendo crucificadas, mortas, sem você ter conhecimento na íntegra da proposta", disse Graziela. Ela também ressaltou que, se a proposta é válida ou não, cabe ao juiz do caso e aos credores analisar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.