coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Consultoria espera que VarigLog entregue proposta nesta tarde

O sócio da consultoria Alvarez & Marsal, Marcelo Gomes, disse na manhã desta quarta-feira que espera que a VarigLog entregue o detalhamento de sua proposta durante a tarde desta quarta-feira. Segundo ele, todos os detalhes da proposta estão sendo discutidos "linha por linha", e os credores da companhia aérea já estão sendo informados de todos os avanços. Um dos pontos negociados é a adaptação da proposta da VarigLog ao modelo de venda aprovado na última reunião dos credores. Existe a possibilidade de se fazer oferta no leilão apenas para parte doméstica da Varig ou para toda parte operacional. Justiça de NY mantém liminar até 21/07O Juiz da Corte de falências de NY, Robert Drain, manteve o ´status quo´ de prorrogação da liminar que protege a Varig do arresto de aeronaves e execução de dividas ate 21 de julho. Contudo, os credores que quiserem de volta suas aeronaves podem ter o retorno das mesmas se pedirem oficialmente ao advogado da Varig em NY, Rick Antonoff. Assim, o Plano de Contingencia de Retorno das aeronaves eh valido apenas para os credores que desejarem suas aeronaves ou turbinas de volta, sendo que o plano propriamente dito, segundo o qual a Varig seria obrigada a pousar toda a sua frota e encerrar operações não foi ordenado.O juiz Drain retomou o prazo que já havia sido concedido na audiência anterior em NY, quando ordenou que a liminar estaria válida ate 21 de julho, mas quanto também avisou que seria necessária uma nova audiência, em 28 de junho (hoje), no caso de a NY Participações não ter sucesso nas negociações no Brasil. Desta forma, "hoje, foi mantido o status quo da audiência anterior", disse Antonoff.Na prática, a manutenção da liminar até julho impede o arresto forcado das aeronaves ou execução de dívidas anteriores a junho de 2005. Contudo, está liberado aos credores que desejarem a opção de ter de volta aeronaves e turbinas após dez dias do envio oficial de uma carta solicitando o retorno das mesmas ao advogado Antonoff, em Nova York. Desta forma, a Varig teria um tempo hábil, de dez dias, para resolver seus compromissos mais imediatos e em respeito aos passageiros.Segundo esta determinação, o Plano de Contingencia de Retorno seria executado apenas para aqueles credores que o solicitarem. O ponto central eh que, oficialmente, o Plano de Contingência propriamente dito, segundo o qual a Varig seria obrigada a pousar toda a sua frota para retorno das aeronaves aos credores não foi executado, observou Antonoff. "A Varig está operando com uma frota menor, mas está operando", afirmou Antonoff.Canibalização de peçasOs credores da Varig que não quiserem que as partes de suas aeronaves sejam retiradas para manutenção têm o direito de fazer esta exigência e devem se manifestar à Varig fazendo a objeção, determinou também o juiz Robert Drain. Os advogados dos credores têm reclamado inúmeras vezes ao juiz que a Varig vem canibalizando as partes de suas aeronaves. Contudo, hoje o advogado Rick Antonoff disse que a retirada das partes das aeronaves apenas tem sido feita em caráter de manutenção.Contudo, não é o que os advogados dos credores vêm falando, e mostrando com fotos, ao juiz Drain. James Spiotto, advogado que representa o US Bank e Wells Fargo, é um dos advogados que reclamam de danos às peças das aeronaves de seus clientes. Segundo ele, além de danos a uma turbina que não havia sido guardada de forma apropriada e sofreu corrosão, a Varig não tem cooperado para a devolução de outra turbina.Segundo Spiotto, a Varig deve mais de US$ 8 milhões ao US Bank em leasing. Uma aeronave do US Bank está no chão desde março de 2006, sem os pagamentos referentes aos meses de março, abril, maio ou junho deste ano, disse o advogado. Spiotto estima que os custos de trazer as duas aeronaves do US Bank de volta às operações "excedem os recursos da Varig"."Além dos quase US$ 6 milhões em dívidas vencidas, estima-se que o custo de retorno da aeronave que foi recuperada pelo banco em NY chegaria a quase US$ 8 milhões, sendo que seriam necessários mais US$ 4,2 milhões para trazer a segunda aeronave de volta às operações. A Varig simplesmente não tem US$ 18,2 milhões. Nem se pode imaginar que se tivesse, gastaria esta quantia para trazer estas aeronaves de volta às operações", escreveu Spiotto ao juiz.Michael Luskin, que representa o credor Aircraft SP-6, também relatou ao juiz que tem um Boeing 737-4YO e duas turbinas em operação pela Varig sem receber os pagamentos de leasing. Para o advogado, que esperava que a Varig implementasse voluntariamente o Plano de Contingência e retornasse a aeronave e as turbinas, o anúncio de uma nova negociação (com Volo, e o investidor Matlin Patterson, que compraram a VarigLog) "causa preocupação de que o processo ainda vá demorar". Segundo o advogado, as dívidas da Varig com a SP-6 ultrapassam US$ 364 mil, e o número cresce cerca de US$ 125 mil por mês. Aeroporto de Los Angeles executará dívidaO departamento de operações aéreas de Los Angeles informou ao juiz Robert Drain que irá executar contra a Varig títulos no valor de US$ 344 mil relativos a dividas de operações no aeroporto internacional local, segundo acordo realizado em 29 de agosto de 2002. De acordo com o juiz Drain, a manutenção da liminar ate 21 de julho não se aplica a execução desta dívida.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.