Consultoria IdeaGlobal recomenda cautela com caso Waldomiro

O economista para América Latina da consultoria IdeaGlobal, Ricardo Amorim, recomenda hoje a seus clientes que reduzam momentaneamente a exposição à dívida externa do Brasil, com a venda dos títulos mais longos, especialmente os Global 40. A indicação consta do relatório da consultoria em que são analisadas as possíveis conseqüências do escândalo que levou à demissão do ex-subchefe de Assunto Parlamentares da Casa Civil Waldomiro Diniz. Segundo o economista, a cautela é recomendada, porque há risco de que seja instaurada uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) no Congresso para investigar o caso. "Em nossa opinião, (essa hipótese) não está corretamente precificada no mercado da dívida", afirma Amorim. Se for instaurada uma CPI, ele acredita que o esforço do governo para a aprovação de reformas no Congresso será prejudicado. Uma das conseqüências, de acordo com Amorim, será a queda da popularidade do presidente Luís Inácio Lula da Silva. Embora, independentemente da instalação de uma CPI, Amorim acredite que o escândalo em si já provocará algum estrago na imagem do presidente da República. Ele informa a seus clientes que a "importante acusação de corrupção" envolve um assessor direto do ministro-chefe da Casa Civil, José Dirceu, embora pondere que ele não está diretamente envolvido no escândalo. Mas destaca que os dois se conhecem desde 1992, quando o Congresso investigou o caso PC Farias, no governo do ex-presidente Fernando Collor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.