SERGIO CASTRO/ESTADÃO
SERGIO CASTRO/ESTADÃO

Consultoria já prevê superávit comercial de US$ 33 bi neste ano

Ambiente de recessão econômica e depreciação do câmbio serão determinantes para o aumento do superávit comercial em 2016

Ricardo Leopoldo, O Estado de S.Paulo

05 de janeiro de 2016 | 02h02

SÃO PAULO - A possibilidade de a recessão econômica registrada em 2015 continuar neste ano e o ambiente de depreciação do câmbio serão determinantes para o superávit comercial saltar de US$ 19,681 bilhões, no ano passado, para US$ 33 bilhões, em 2016, comentou a economista da consultoria Tendências Gabriela Zini. "Esses mesmos fatores serão importantes para uma redução do déficit de transações correntes de uma marca próxima a US$ 59 bilhões em 2015 para US$ 44,1 bilhões neste ano", comentou.

Na avaliação de Gabriela, existe a possibilidade de o saldo comercial em 2016 ser ainda maior do que a estimativa de US$ 33 bilhões, estimulado pela intensa retração da atividade que levará a economia a uma queda de 3% neste ano, depois de já ter caído 3,8% em 2015, de acordo com projeção da Tendências.

Além disso, deve haver neste ano um aumento do volume de exportações, especialmente na área agrícola, o que será motivado em boa medida pelo câmbio mais competitivo. Como ela estima que a cotação do dólar ante o real variará de R$ 3,95 no fim de dezembro passado para R$ 4,20 doze meses depois, a economista prevê que neste ano as importações deverão recuar perto de 12%, enquanto as exportações baixarão ao redor de 3%.

Expectativas. Os dados da balança comercial brasileira de dezembro vieram acima da expectativa da maioria dos analistas e é reflexo de um aumento atípico das exportações de manufaturados, apontou a economista da GO Associados Mariana Orsini.

A economista previa superávit comercial de US$ 5,900 bilhões em dezembro e de US$ 19,300 bilhões para o dado fechado de 2015. Mas, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), o saldo positivo mensal da balança foi de US$ 6,240 bilhões e o anual foi de US$ 19,681 bilhões. "Houve aumento das exportações de plataformas da Petrobrás, tubos flexíveis de ferro e aço, aviões e automóveis", afirmou.

De acordo com a economista, os impactos da paralisação das atividades da mineradora Samarco, por causa do rompimento de uma barragem de rejeitos em Mariana (MG), começam a aparecer nos dados da balança comercial.

"Estimamos uma redução de até 13% nas exportações de minério de ferro este ano por causa do acidente, o que pode ter impacto de US$ 1,7 bilhão na balança", afirmou./ COLABOROU MATEUS FAGUNDES

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.