carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Consumidor brasileiro é o ''Homem do Ano''

Como em todos os anos, a coluna escolhe um homem do ano, no Brasil e no exterior. Lá fora, ninguém. Um deserto total. A seleção de Mark Zuckerberg, criador do Facebook, pela revista Time, é uma prova disso. Não havia outro. No Brasil, a coluna elege novamente o consumidor brasileiro como o "Homem do Ano".

ALBERTO TAMER, O Estado de S.Paulo

23 de dezembro de 2010 | 00h00

Ele já havia sido escolhido em 2009 e volta a ser neste ano porque, mais uma vez, salvou a economia nacional. Não hesitou, não se assustou, na teve medo da crise, mesmo quando o desemprego chegava a 2 milhões de trabalhadores no ano passado, continuou comprando, confiando, comprando. Um aumento de 10% somente este ano! Sem ele a economia não estaria crescendo 7,5%, pois o consumo interno representa 62% do PIB.

Foi ajudado, sim, pelo governo que manteve a redução de impostos em setores mais atingidos pela crise, facilitou o crédito, proporcionou aumento da renda. Mas tudo isso também foi feito lá fora e não funcionou. O presidente dos EUA, Barack Obama, fez um pacote inicial de estimulo de mais de US$ 700 bilhões e nada. Na Europa, o cenário é ainda pior, sem estímulos e estagnação e desemprego de 10,1%.

Mas foi só ele? Basicamente, sim. Os dados do IBGE são ilustrativos. Há os gastos do governo que indiretamente ajudam a demanda, mas eles representam apenas 19,7% do PIB, contra os 62% das famílias. Outros itens que poderiam ser apontados também são menos significativos, como as exportações de bens e serviços, apenas 11%. Foi o aumento da renda? Não tanto, este ano. Os dados oficiais mostram que, no ano passado, a renda real dos salários que havia crescido 7,3% em 2008, aumentou menos em 2009 - 3,9% no ano passado e este ano, 4,5%. O rendimento médio real dos trabalhadores era de R$ 1.443 em 2009 e hoje é R$ 1.468. Ou seja, sozinho ele não explica totalmente o expressivo aumento da demanda, que está sendo em parte impulsionada pelo crédito e, principalmente, pela entrada de 30 milhões de consumidores das classes C e D no mercado. Hoje, elas consomem 78% mais dos que as classes A e B.

O que estamos vendo é o consumidor reagindo de forma excepcional este ano porque passou a confiar ainda mais no futuro.

Vejam onde gastam. É significativo que os gastos não têm aumentado só na área de alimentos e serviços. Mas, de acordo com pesquisa realizada pela Serasa, em novembro, os gastos se concentraram na compra de material de construção (17%) e móveis (15%). Destaca-se ainda o setor de veículos, mais 12%. Outro levantamento conclui que quase 50% da população brasileira já dispõe de meio de transporte próprio. Mas atentem que mesmo no auge da crise, quando 2 milhões de trabalhadores perdiam o emprego, o consumo não recuou. E, agora, com a criação de 2,5 milhões de vaga este ano e o desemprego nas capitais recuando para 5%, o consumidor ele passou a confiar ainda mais.

E a bolha? Há o risco de endividamento excessivo, como ocorreu nos Estados Unidos, que provocou retração ainda não superada dos americanos apesar dos pacotes de US$ 1,5 trilhão? Os indicadores nacionais ainda não registram isso, mas o Banco Central vê algum risco, sim.

Já começou a conter a expansão do crédito, É ainda uma medida cautelosa que, segundo o mercado financeiro, visa a conter mais os financiamentos de longo prazo, oito e até dez anos, do que o crescimento econômico. Outras podem vir.

O maior risco é o menor aumento da produção e aumento da inflação que já passa de 5%.

Mas quem é "Ele"? Ele, o consumidor brasileiro, é você, eu, nossas famílias, todos nós, que não tivemos medo e ajudamos o País a sair da recessão. Diante desses cenários, não há dúvida alguma . O "Homem do Ano de 2010" é o consumidor brasileiro, que não recuou diante do pessimismo que domina o mundo.

Feliz Natal, amigos. A todo os leitores que prestigiam está coluna há 16 anos, meus votos sinceros de um Feliz Natal com suas famílias.

Sejam felizes, meus amigos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.