Consumidor de SP reprova celular, combustíveis e energia elétrica

O consumidor da capital paulista reprova a qualidade dos serviços e os preços da telefonia fixa e celular, do fornecimento de energia elétrica e dos combustíveis, segundo pesquisa da Brasmarket Análise e Investigação de Mercado divulgada neste sábado.Foram entrevistados 6.533 consumidores, entre os dias 12 e 16 deste mês, em todas as regiões da capital. A margem de erro da pesquisa é de 2 pontos percentuais e o intervalo de confiança é de 95,5%.O preço e a qualidade dos combustíveis vendidos na capital receberam os piores conceitos do paulistano. Para 55,5% deles, os preços e a qualidade do álcool, da gasolina e do diesel são péssimos. Para outros 27,3%, são ruins. Os itens foram considerados regulares por 8,4% dos entrevistados, bons por 3,1% e ótimos por 2,5%. Não opinaram 3,2% dos consultados.Na área de telefonia, fixa e celular, a qualidade do atendimento, dos serviços e o valor das tarifas são considerados péssimos por 30,3% dos paulistanos e ruins por outros 28,2%. Os itens mencionados são avaliados como regulares por 26,1% dos consumidores, como bons por 9,3% e como ótimos por 1,8% (4,3% dos entrevistados não opinaram nessa questão).Energia elétricaNo setor de energia elétrica, o abastecimento e os preços foram considerados péssimos por 39,9% dos pesquisados. Outros 26,2% julgaram que os itens avaliados são ruins e 22% que são regulares. Os preços da energia e a qualidade do atendimento foram avaliados como bons por 8,8% dos entrevistados e como ótimos por 2,1% deles (1% não opinou).Dos entrevistados, 50,4% são do sexo feminino e 49,6% do masculino; 57,1% têm renda familiar de até três salários mínimos, 31,9% entre três e 10, 9% de 10 a 20 e 2% têm renda acima de 20 salários mínimos. Foram consultados apenas consumidores acima de 16 anos. Do total, 43,2% informaram ter primeiro grau completo ou incompleto, 38,2% segundo grau completo ou incompleto, 11,9% menos de um ano de estudos ou sem instrução e 6,7% ensino superior completo ou incompleto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.