Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Consumidor deseja inovações em produtos de limpeza

Pesquisa intitulada "Cuidando do Novo Lar" traça perfil das consumidoras de produtos de limpeza. A enquete ouviu 502 mulheres da grande São Paulo

Agencia Estado

04 de julho de 2007 | 17h17

Sabão em pó em cubos que já vem com amaciante; spray que tira manchas instantaneamente e dispensa a lavagem com água; água sanitária em pó que evita o risco de ingestão pelas crianças que a confundem com água comum; cera líquida com veneno em sua composição para espantar formigas. Quem pensa que estas inovações saíram dos laboratórios das multinacionais do setor de limpeza está enganado. Elas estão na cabeça das consumidoras brasileiras e ainda não chegaram aos centros de pesquisa e desenvolvimento da indústria.Essa é uma das revelações da pesquisa intitulada "Cuidando do Novo Lar", uma espécie de radiografia realizada pela TNS InterScience e encomendada pela empresa de propaganda Giacometti para traçar o perfil das consumidoras de produtos de limpeza. A enquete ouviu 502 mulheres da grande São Paulo entre 26 e 50 anos, das classes A, B e C.De maneira geral, as consumidoras não vêem avanço de inovação nos produtos de limpeza. "Cerca de 80% daquelas consumidoras mais antenadas, que antecipam as tendências do mercado, não conseguem perceber as novidades nos produtos de limpeza", afirma o sócio-diretor da agência de propaganda, Dennis Giacometti.Segundo ele, essa é a grande surpresa da pesquisa. "É sempre mais do mesmo. Existe uma certa commoditização dos produtos de limpeza, focados no preço."DiferenciaisA diretora de Planejamento para Consumo da TNS InterSience, Karina Milaré, responsável pela pesquisa, observa que esse grupo de consumidores antenados, os "future shappers", responde por 10% da amostra. Metade dessas consumidoras declarou que está disposta a pagar um pouco mais pelo produto, entre 5% e 10%, desde que ele ofereça algum diferencial que facilite o dia a dia da limpeza doméstica. Também 58% delas querem produtos que não agridam o meio ambiente.Na análise de Giacometti, a pesquisa revela que existe uma grande oportunidade para as indústrias de produtos de limpeza ampliarem o mercado. O caminho, segundo ele, é escutar o consumidor que tem idéias inovadoras. "A globalização acaba impondo padrões e necessidades de consumo iguais no mundo inteiro e que nem sempre refletem a demanda local."Indústria rebate críticasA diretora executiva da Associação Brasileira das Indústrias de Produtos de Limpeza e Afins (Abipla), Maria Eugênia Saldanha, rebate as críticas feitas pelas consumidoras. "A indústria de limpeza não está estagnada." Ela observa que as 1,6 mil empresas formais movimentaram no ano passado R$ 10 bilhões e que as empresas estão investindo para escapar da commoditização. Na opinião de Maria Eugênia, existem ruídos na percepção do consumidor. Ela explica que as indústrias geralmente lançam produtos sob o guarda-chuva de uma mesma marca para assegurar a credibilidade. "Isso confunde um pouco a percepção de inovação."Outra hipótese levantada pela diretora da Abipla é uma provável comparação com outros segmentos, como o eletroeletrônico, no qual o ritmo de inovações é mais acelerado. "O consumidor olha para outros produtos, como os tocadores de MP3 e os telefones celulares, que têm mais inovação."Ela lembra que a indústria já vem aproveitando idéias dos consumidores. Um exemplo é o neutralizador de odor, que está no mercado há cinco anos. Apesar das sugestões dos consumidores serem bem-vindas, Maria Eugênia diz que nem sempre elas são factíveis. É que há regulamentação que a indústria tem de seguir. Um exemplo é da cera líquida misturada com veneno para matar formigas. A idéia já foi discutida com as autoridades que regulam o setor e conclui-se que não é possível fabricar um produto deste tipo. "Inseticida não pode ser misturado a outros produtos", diz a diretora. O motivo é simples: se uma criança colocar a mão no chão e na boca, ela pode ficar intoxicada.Veja alguns exemplos de sugestão de consumidor- Embalagem plástica com bico dosador para sabão de pó: evita armazenar a caixa de papelão molhada e evita o desperdício do produto;- Sabão em cubos 2 em 1: fácil de dosar e já vem com amaciante;- Detergente: com bico dosador, formato anatômico, já serve para ariar, dispensa o uso de palha de aço e dá brilho nas panelas;- Spray tira manchas: instantâneo e dispensa a lavagem com água;- Cera líquida com veneno: espanta formigas, dá brilho, tem cheiro agradável e não deixa o chão escorregadio;- Detergente em gel para recipientes plásticos: tira odores e manchas de plásticos;- Sabão em pó que tinge roupas ao lavar;- Água sanitária em pó: criança não confunde com água, não há perigo de causar estragos/manchar, sem cheiro, não agride a pele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.