Consumidor destrói BMW com marreta e machado

Carro comprado por R$ 360 mil continuava com problemas após dez visitas à concessionária

18 de setembro de 2013 | 12h59

FRANKFURT - Um consumidor ficou revoltado com a qualidade do seu BMW e resolveu protestar destruindo o carro com machado e marretas na frente do Salão do Automóvel de Frankfurt, na Alemanha.

Ele disse que levou o carro dez vezes à concessionária da marca antes de resolver fazer o protesto, que foi filmado e publicado no site Youtube.

No fim do vídeo, um guarda aparece para multar o dono do carro, que foi comprado na Itália, em 2008, por 120 mil euros, o equivalente a R$ 360 mil.

O empresário Pourmohseni Hadi disse que desde quando era novo o carro apresentava problemas, e que procurou a BMW na Itália e na sede da matriz na Alemanha, mas não obteve resposta. Ele reclama que carro dava solavancos e vibrava nas trocas de marcha.

Ele disse que decidiu processar a empresa, mas como a decisão pode demorar vários anos, resolveu fazer algo para chamar a atenção para o problema.

Martelo. Em São Paulo, o professor de história Rodrigo Ciríaco, de 32 anos, também usou um martelo e uma câmera de filmar para denunciar o problema enfrentado com uma empresa, em julho deste ano.

Ele entrou na loja de materiais de construção Dicico, na Avenida Radial Leste, e saiu martelando vários itens do mostruário enquanto reclamava do atendimento. O vídeo foi divulgado no Youtube.

O consumidor disse que gastou mais de R$ 4 mil na loja, mas parte dos produtos não foi entregue. Ele disse que teve de comprar materiais em outra loja e queria ter parte do dinheiro de volta.

O caso foi parar na justiça e a empresa conseguiu na justiça retirar o vídeo do ar.O professor publicou outro vídeo comentando o caso.

Na internet, há outros casos de consumidores que resolvem bater no produto e publicar as imagens para denunciar problemas de qualidade ou mau atendimento. Confira alguns abaixo:

 

Mais conteúdo sobre:
BMWConsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.