Consumidor deve evitar empréstimos

O consumidor que pretende contratar uma linha de crédito precisa estar atento às taxas de juros que cada instituição financeira cobra. As taxas variam bastante entre as diversas opções do mercado: crédito direto ao consumidor (CDC), cheque especial, cartão de crédito, penhor e empréstimo pessoal. Especialistas recomendam ao consumidor dar preferência às compras à vista e tomar empréstimos apenas em casos de emergência. O técnico em assuntos financeiros da Fundação Procon-SP - órgão de defesa do consumidor vinculado ao governo estadual -, Cláudio Lima, destaca que as linhas de crédito devem ser evitadas e podem significar um prejuízo financeiro futuro. "O consumidor pode estar assumindo uma dívida da qual pode demorar um tempo para se livrar, devido aos juros altos das linhas de crédito disponíveis no mercado. Por isso, deve estar atento ao seu orçamento doméstico e a sua capacidade de pagamento. O ideal é realizar a compra à vista", avalia. Porém, se não tiver outra saída, Cláudio Lima recomenda ao consumidor pesquisar cuidadosamente as taxas de juros oferecidas pelos diferentes produtos no mercado e escolher a linha de crédito que melhor se encaixe ao seu orçamento. De acordo com o técnico de assuntos financeiros do Procon-SP, as taxas de juros oscilam muito entre as instituições financeiras do mercado e, por isso, o consumidor deve ficar atento na hora de contratar um empréstimo. "Para evitar juros mais altos e uma dívida crescendo além de sua capacidade de pagamento, o consumidor deve realizar uma pesquisa entre as opções de linha de crédito do mercado e dos juros de cada uma", aconselha. Cartão de crédito e cheque especial têm juros altos O consumidor deve evitar linhas de crédito como cartão de crédito e cheque especial. "Os juros destas linhas de crédito são muitos altos", avisa o técnico Procon-SP. O problema do cartão de crédito é a rolagem da dívida, pois o consumidor paga apenas o mínimo necessário em cada mês e o valor da dívida vai aumentando com os juros rotativos. "O consumidor deve se esforçar ao máximo para pagar a fatura integralmente, na data do vencimento. Não pode deixar acumular a dívida do cartão de crédito, pois pode sofrer grandes prejuízos financeiros com os juros altos", avalia Cláudio Lima. De acordo com a pesquisa mensal do Procon-SP entre 14 bancos da Grande São Paulo, a taxa de juros média praticada no mês de agosto no cheque especial, foi de 8,73% ao mês. Já para o empréstimo pessoal, a média foi de 5,23% ao mês no período. Já os juros rotativos do cartão de crédito estavam, em média, em 9,59% ao mês, de acordo com a pesquisa mensal realizada pela Agência Estado no 31de agosto. O juro médio do cartão de crédito por atraso foi de 9,68% ao mês. Confira nos links abaixo a pesquisa completa dos juros praticados em cada instituição financeira nestas linhas de crédito.

Agencia Estado,

14 de setembro de 2001 | 19h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.