Alex Silva/Estadão
Alex Silva/Estadão

Órgãos de defesa do consumidor fazem plantão contra 'Black Fraude'

Sites de comparação de preços e de reclamações também vão atender denúncias de quem encontrar oferta falsa na Black Friday

Márcia De Chiara, O Estado de S.Paulo

27 de novembro de 2015 | 02h03

Na Black Friday deste ano, o consumidor estará mais assistido do que nas edições anteriores para saber se os descontos oferecidos pelas redes varejistas são verdadeiros. Além dos sites de comparação de preços, os órgãos de defesa do consumidor vão oferecer esse serviço.

Desde quinta-feira, a Fundação Procon de São Paulo, por exemplo, colocou no seu site uma lista de eletrodomésticos, celulares e eletrônicos com a evolução dos preços desde setembro. O acompanhamento do produto está especificado por loja.

A Proteste, associação de defesa do consumidor, também divulga hoje uma lista de preços de itens acompanhados pela entidade nos últimos meses.

O monitoramento de preço, além de dar mais subsídio para o consumidor avaliar se a oferta compensa, permitirá que o Procon autue as empresas por publicidade enganosa ou por descumprimento de oferta.

Desde ontem, o Procon tem um atendimento especial para que os consumidores registrem reclamações pelo telefone 151 (só para capital paulista) ou atendimento eletrônico do site do Procon, Facebook e Twitter para todo o Estado. Também foi criada a hashtag especial (#ProconSPdeolhonaBlackFriday) para denúncias.

Reputação. Outro ponto que o consumidor deve estar atento é à reputação da loja. A Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico e o site ReclameAqui criaram selos que atestam a idoneidade da varejista. No site do Procon-SP é possível consultar uma lista de lojas que não são confiáveis.

Mais conteúdo sobre:
Black FridayBlack Fraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.