Consumidor do interior gasta 20% mais no comércio eletrônico

Gasto médio com bens duráveis nos sites é de R$ 1.400, ante R$1.151 nas lojas físicas do interior, aponta pesquisa

O Estado de S.Paulo

26 de dezembro de 2012 | 02h04

O consumidor que vive em cidades do interior do País gasta cerca de 20% mais em compras no comércio eletrônico em relação às lojas do varejo físico, revela uma pesquisa feita pelo instituto de pesquisas Officina Sophia, com 520 consumidores na primeira semana deste mês.

A pesquisa mostra que o consumidor que mora fora das capitais desembolsou nos últimos três meses cerca de R$ 1.400 em compras na internet com eletroeletrônicos, eletrodomésticos, equipamentos de informática e telefones celulares. Nas lojas físicas, esse consumidor gastou R$ 1.151,90 com esses mesmos itens. A pesquisa foi feita com consumidores que compraram um desses itens nos últimos três meses.

"Esse resultado indica uma boa oportunidade de negócio para as lojas físicas do interior", observa a coordenadora da pesquisa, Tânia Rodrigues. Ela explica que esse diferencial no gasto em favor do comércio virtual sugere que há deficiências no sortimento das lojas físicas localizadas fora das capitais.

A enquete foi feita por telefone com consumidores residentes na capital paulista e em cidades com mais de 100 mil habitantes, como Catanduva (SP), Apucarana (PR) e Patos de Minas (MG), que ficam a 300 quilômetros das capitais de seus respectivos Estados,

Além de gastar mais no comércio online, o consumidor do interior dá preferência para as lojas virtuais líderes de mercado no comércio tradicional, como Casas Bahia e Magazine Luiza.

Referência. Outra resultado importante do estudo é o que mostra que as lojas online viraram uma referência na pesquisa de preço para o consumidor antes de fechar negócio, seja na loja física seja na loja virtual.

Mais da metade (55%) dos compradores do varejo físico que moram em São Paulo realizaram pesquisa de preço antes de concluir a compra. Desse total, 70% pesquisaram em lojas físicas e 38% em lojas virtuais. Entre os paulistanos que compraram pela internet, 67% deles pesquisaram preços antes da compra, sendo 76% em sites de comércio eletrônico e 37% em lojas físicas.

"Diante desse resultado, as lojas físicas precisam ter um novo papel para conquistar o cliente", afirma Tânia. Como a comodidade do comércio eletrônico permite que o comprador entre rapidamente em vários sites e pesquise o preço de produtos idênticos, as lojas físicas têm de buscar a diferenciação no atendimento para fisgar o cliente, diz ela./ M.C.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.