Consumidor está um pouco mais confiante, segundo pesquisa

O consumidor brasileiro está mais confiante em relação a economia e também mais otimista sobre o futuro. O resultado faz parte da terceira edição do Índice de Confiança do Consumidor divulgado hoje pela Fundação Getúlio Vargas (FGV). O novo indicador registrou alta de 0,6% entre novembro e dezembro, passando de 103,0 para 103,6 (cálculo usado tem a base 100 referente a setembro, quando começou a pesquisa).O índice é composto por cinco quesitos. De acordo com a FGV, houve melhora na avaliação dos consumidores a respeito da situação presente: aumentou de 100,9 para 104,5. Já a expectativa reduziu-se de 104,2, em novembro, para 103,2, em dezembro.A avaliação do consumidor em relação à situação financeira da família evoluiu favoravelmente em dezembro. A parcela dos que afirmam que a situação no momento está boa avançou de 18,6% em novembro para 21,0%, enquanto a dos que a consideram ruim reduziu-se de 20,1% para 16,8%.Com relação ao futuro, ficou praticamente estável, em 23,5% a parcela de informantes que prevêem melhora da situação econômica na cidade em que residem. No mesmo quesito, a participação relativa do grupo que acredita em deterioração, entretanto, aumentou de 17,4% para 19,6%.A Sondagem de Expectativas do Consumidor é realizada com base numa amostra de dois mil domicílios em sete das principais capitais brasileiras. A coleta de dados para a edição de dezembro de 2005 foi feita entre os dias 1 e 22 de dezembro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.