Consumidor fez menos compras parceladas em março

Os brasileiros estão optando menos pela modalidade de pagamento com cheque parcelado, segundo informou o levantamento divulgado nesta segunda-feira, 16, pela Telecheque, empresa de avaliação de risco na concessão de crédito em cheques. Conforme a Telecheque, o volume de cheques pré-datados transacionados em março registrou queda de 1,29% na comparação com o mesmo período de 2006. Em março, o varejo registrou um volume de 71,11% de compras parceladas, ante o índice de 72,04% no mesmo mês de 2006. Por sua vez, frente a fevereiro deste ano, o índice de parcelamento apresentou ligeira elevação de 0,59%, com o indicador de 70,69% no volume de cheques pré-datados. Para o vice-presidente da Telecheque, José Antônio Praxedes Neto, os dados mostram que o consumidor aprendeu a ser mais cauteloso em relação às facilidades de acesso ao crédito. "É natural que, por ainda estar comprometido com os parcelamentos realizados no final de ano, ele realize compras com prazos menores neste período, tendo em vista seu nível de endividamento", avaliou. Estados No estudo da Telecheque, Alagoas se destacou como o Estado que apresentou o declínio mais expressivo das compras parceladas e também o menor índice de pré-datados. Com um indicador de 42,64% em março e 54,91% em igual período de 2006, o Estado registrou uma redução nos parcelamentos de 22,35%. A queda também se reflete no comparativo com o mês anterior, em que a baixa foi de 2,60%. O Pará aparece na seqüência com o segundo lugar, com queda no índice de pré-datados de 8,05%, acompanhado pelo Rio de Janeiro, onde os parcelamentos caíram em 6,16% no comparativo anual. O Estado de São Paulo apresentou baixa de 4,69%. O levantamento aponta que outras regiões ainda continuam adotando a modalidade de pagamento parcelada nas compras de varejo. Pernambuco lidera a pesquisa em volume de cheques pré-datados transacionados em março, com índice de 82,56%. A Telecheque mostra ainda que os Estados do Maranhão e Rio Grande do Norte também apresentaram índices relevantes, com índices de 82,41% e 80,57%, respectivamente. Na variação anual, Goiás foi o Estado que apresentou o maior crescimento, de 21,25%, com indicador de 62,59% em março deste ano, contra 51,62% no mesmo período do ano passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.