Consumidor gasta 29,83% da renda com juros

O juro é o grande vilão do orçamento doméstico do consumidor. Essa afirmação é constatada na pesquisa realizada pela Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac) para identificar os gastos mensais dos consumidores. De acordo com o estudo, os encargos financeiros engolem 29,83% do orçamento doméstico. Ou seja, de cada R$ 100,00 gastos mensalmente, R$ 29,83 são utilizados para pagar juros de crediários, cartão de crédito e cheque especial. O estudo, que foi realizado com 3.477 consumidores de São Paulo entre os meses de julho e agosto, revela também que nenhum outro gasto pesa tanto no bolso do consumidor quanto as despesas financeiras. Segundo a Anefac, dos gastos mensais dos consumidores 24,61% são destinados à habitação, com pagamento de aluguéis, prestação da casa própria e impostos. A alimentação corresponde a 22,82% das despesas mensais. As tarifas públicas representam 4,53% dos gastos do orçamento familiar mensal.Segundo Miguel José Ribeiro de Oliveira, vice-presidente da Anefac, os fatores que levam os juros a serem o principal gasto do orçamento familiar são a má utilização do crédito pelo consumidor, as altas taxas de desemprego e altas taxas de juros cobradas do consumidor em empréstimos. "A maioria dos consumidores ao tomar empréstimo se preocupam mais com o valor da prestação e não pesquisam as taxas de juros", alerta.Os juros do cheque especial e do cartão de crédito são os que mais pesam e podem desequilibrar o orçamento doméstico, avalia o vice-presidente da Anefac. "O consumidor deve ter cuidados ao se endividar com o cheque especial ou no cartão de crédito, pois os juros destas linhas de crédito podem consumir um terço de sua renda mensal", explica. De acordo com a pesquisa mensal realizada pela Fundação Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, a taxa média utilizada pelos bancos no cheque especial em agosto foi de 8,76% ao mês. Já a pesquisa realizada pela Agência Estado junto as administradoras de cartão de crédito constatou que a taxa média de juros por atraso é de 9,78% ao mês, no rotativo, e de 10,25% ao mês, por atraso. (confira os links abaixo).Qualidade de vidaO estudo também demonstrou que os altos gastos com pagamento de juros e despesas habitacionais provocam uma queda na qualidade de vida do consumidor. "O consumidor está gastando mais com juros, contas e impostos e está se divertindo menos. Os gastos com cinema, teatro e diversão em geral acaba sendo pequeno", afirma Miguel Oliveira. De acordo com a pesquisa, os gastos mensais com despesas diversas, que inclui gastos com passeios corresponde a 3,67% do orçamento.Consumidor mais pobre paga mais jurosOutra revelação importante da pesquisa foi que quanto menor a renda do consumidor, maior o nível de endividamento. A Anefac dividiu os consumidores em cinco faixas de renda. De acordo com Miguel Oliveira, isso é reflexo da má utilização do crédito. "Os mais pobres têm um nível de endividamento maior, pois além de precisar parcelar mais os pagamentos não fazem a pesquisa correta sobre as melhores taxas do mercado", avalia.Os consumidores com renda familiar entre 1 e 5 salários mínimos têm um gasto mensal de 35,43% com encargos financeiros. De 5 a 10 salários mínimos, o gasto mensal com juros é de 33,62% do orçamento. Os consumidores com renda entre 10 e 20 salários gastam 32,95% do orçamento com juros. Já os consumidores com renda entre 20 e 50 salários gastam 28,07% com juros no orçamento. E quem possui renda acima de 50 salários gasta 19,08% do orçamento com encargos financeiros.Veja no link abaixo algumas dicas de como utilizar melhor o orçamento doméstico para evitar gastos altos com juros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.