Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Consumidor irá trocar produtos 'premium' por alimentos mais baratos neste Natal

Segundo a Abras, do setor de supermercados, a venda de bebidas como cerveja e refrigerantes deve ter um aumento significativo, enquanto a de vinhos importados e panetones tende a desacelerar  

Dayanne Sousa, O Estado de S. Paulo

29 de outubro de 2014 | 13h35

SÃO PAULO - A Associação Brasileira de Supermercados (Abras) considerou que são otimistas as perspectivas para vendas do setor no Natal, embora haja cautela maior do que no ano anterior. Pesquisa da entidade com dados sobre encomendas feitas pelo varejo à indústria revelam que a perspectiva de alta é maior para categorias menos sofisticadas, como cerveja e refrigerante. Na avaliação do presidente do conselho consultivo da entidade, Sussumu Honda, também nas festas de fim de ano já se reflete tendência do consumidor de migrar para itens de menor valor agregado e procurar menos os produtos "premium".

"Certamente este ano se aposta um pouco mais na questão de produtos com preços mais acessíveis. Por exemplo, em bebidas e até mesmo em proteínas animais se buscam produtos com preços mais acessíveis", declarou Honda. Segundo a Abras, a estimativa para o Natal é de crescimento mais acelerado que no ano passado de venda de cervejas e refrigerantes, enquanto bebidas natalinas, vinhos importados e panetones tendem a desacelerar.

Ainda assim, a Abras considera que as vendas de dezembro este ano podem superar as do ano anterior. Em 2013, apesar de expectativas positivas dos varejistas para o Natal terem elevado encomendas à indústria, as vendas realizadas foram fracas. Em dezembro daquele ano houve alta de 2,87% nas vendas reais ante o mesmo mês de 2012. Para dezembro de 2014, a Abras acredita que as vendas podem crescer entre 4% e 5% na comparação anual.

Uma explicação é que no ano passado houve uma deterioração no cenário mais ao final do ano apesar de um ritmo que vinha sendo positivo para o setor em meses anteriores. Desta vez, o setor já reportou números mais modestos de crescimento ao longo de 2014 e não acredita numa deterioração.

Tudo o que sabemos sobre:
Natalvarejocomércio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.