Consumidor já paga caro no crédito; impacto da Selic é reduzido

A Anefac - Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade - considerou inoportuna, desnecessária e equivocada a elevação da Selic, a taxa básica de juros da economia, anunciada hoje pelo Banco Central. A Selic passou de 17,75% ao ano para 18,25% ao ano.Segundo a Associação, esta alta tem um efeito muito pequeno nas operações de crédito ao consumidor. Este fato, segundo a Anefac, ocorre uma vez que existe um deslocamento muito grande entre a taxa Selic e as taxas cobradas ao consumidor que, na média da pessoa física, atingem 148,00% ao ano provocando uma variação de mais de 730,00% entre as duas pontas. Em algumas financeiras em linhas de empréstimo pessoal estas taxas chegam a atingir mais de 1.650,00% ao ano.Veja na tabela abaixo, como podem ficar os juros ao consumidor com a elevação da Selic em 0,5 ponto porcentual: Linha de créditoTaxas AtuaisNovas taxas  MensalAnualMensalAnualJuros comércio 6,06%102,59%6,10%103,51%Cartão de crédito10,10%217,28%10,14%218,67%Cheque especial 8,35%161,79%8,39%162,95%CDC bancos3,84% 57,17%3,88%57,90%Empréstimo Pessoal bancos6,21%106,06%6,25%106,99%Empréstimo pessoal financeiras12,65%317,61%12,69%319,40%Taxa média 7,87%148,20%7,91%149,31%

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.