Consumidor já pagou juros mais altos no início de outubro

Mesmo antes da alta da Selic, a taxa básica de juros da economia, de 16,25% para 16,75% ao ano, decidida na semana passada, o consumidor já pagava juros mais elevados. O chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central (BC), Altamir Lopes, disse hoje que as taxas das operações de crédito apresentaram crescimento de 0,8 ponto porcentual nos primeiro nove dias úteis de outubro. A taxa anual passou dos 45,1% do final de setembro para 45,9%.Em setembro, a Selic havia subido 0,25 ponto porcentual. Indagado se o aumento verificado no início de outubro seria um reflexo da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) de setembro, o chefe do Depec explicou que os juros dos empréstimos respondem mais ao comportamento das taxas futuras e não a uma variação da taxa básica da economia.Nas operações com pessoas físicas, as taxas subiram, no mesmo período, de 63,2% para 63,9%, enquanto os juros dos empréstimos às pessoas jurídicas aumentaram de 30,4% para 31,1%. Apesar destes aumentos, o chefe do Depec ressaltou que as taxas de juros deverão chegar ao final do ano em patamares menores que o verificado ao fim de 2003.Volume de créditoA elevação dos juros nos primeiros nove dias úteis de outubro não impediu que ocorresse um aumento do volume de empréstimos. O estoque das operações, segundo Altamir, teve um aumento de 2,9% no período, com os empréstimos às pessoas físicas tendo alta de 2,4% e os concedidos às pessoas jurídicas apresentaram elevação de 3,2%. Em setembro, também houve aumento do volume de crédito.Spread bancário x volume de créditoNos últimos dois anos, o spread bancário - diferença entre os juros de captação e as taxas cobradas nos empréstimos - tem diminuído. No sentido oposto, o volume de crédito tem aumentado. Veja no gráfico abaixo, a comparação entre os dois indicadores:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.