finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Consumidor paulista já sente no bolso a alta do álcool

Segundo pesquisa da ANP, preço do combustível no Estado registrou elevação de 6,47% na última semana

Nicola Pamplona, do Estadão,

20 de novembro de 2007 | 17h38

O consumidor paulista é o primeiro a sentir no bolso os efeitos da entressafra na produção de álcool. Segundo a Agência Nacional do Petróleo (ANP), o litro do álcool hidratado subiu 6,47% nos postos do Estado na última semana. Em um mês, a alta acumulada é de 8,55%. Na média nacional, os repasses são mais modestos: 3,38% na semana passada, para R$ 1,374 por litro. A tendência é de manutenção da curva de alta, uma vez que a cotação do produto nas usinas de São Paulo já chega perto dos 30% desde a mínima do ano. O mercado paulista costuma sentir mais rapidamente as variações de preços do etanol, devido à proximidade com as usinas e à alta rotatividade dos estoques locais. O preço médio do combustível no Estado ficou em R$ 1,168 por litro na semana passada, informa a pesquisa semanal de preços da ANP, divulgada nesta terça-feira, 20. Há um mês, o litro do álcool hidratado saía a R$ 1,076, em média, nos postos do Estado. O movimento de alta é normal nesta época do ano e só é revertido com o início da colheita de cana-de-açúcar, em maio do ano seguinte. Na segunda-feira, o ministro de Minas e Energia, Nelson Hubner, afirmou que o governo não vai intervir no preço do combustível este ano. Ele lembrou que o mercado pode ser regulado pelo próprio consumidor, que vai escolher o combustível mais barato na hora de abastecer. Em 2006, em acordo com os produtores, o governo estipulou um teto de R$ 1,05 para as cotações do álcool nas usinas, que não chegou a ser cumprido. Na semana passada, a cotação do álcool hidratado em São Paulo chegou a R$ 0,747, alta de 4,3% com relação à semana anterior e de 29,78% com relação à mínima do ano, de R$ 0,576, registrada na terceira semana de outubro. A pesquisa da ANP indica que o aumento nas cotações do álcool ainda não teve impacto no preço da gasolina, que recebe 25% de álcool anidro antes de ser vendida nos postos. Na média nacional, o preço da gasolina se mantém estável e fechou a semana passada a R$ 2,484 por litro. Em São Paulo, o litro do combustível custa, em média, R$ 2,373, contra R$ 2,369 registrados na semana anterior. A pesquisa da ANP detectou ainda uma trégua na alta do preço do gás natural veicular (GNV), que vinha sendo pressionado pelas elevadas cotações do petróleo no mercado internacional. Segundo a agência, o metro cúbico do GNV era vendido nos postos brasileiros por R$ 1,351, em média, na semana passada. O valor é R$ 0,01 menor do que o registrado na semana anterior. Em São Paulo, o combustível é vendido a R$ 1,139 por metro cúbico, praticamente o mesmo preço vigente na semana anterior.

Tudo o que sabemos sobre:
Álcool

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.