Consumidor paulistano já superou crise, diz ACSP

Pesquisa mostra que 69,3% dos 800 entrevistados melhoraram financeiramente em relação ao ano passado

Gustavo Uribe, Agência Estado

15 de dezembro de 2009 | 17h18

A crise financeira mundial já virou história para a maioria dos paulistanos. Pesquisa divulgada nesta terça-feira, 15, pela Associação Comercial de São Paulo (ACSP) abordou 800 moradores da cidade e constatou que 69,3% dos entrevistados melhoraram financeiramente em relação ao ano passado, enquanto 12,5% sentiram alguma piora. "Os outros 18,2% declararam que nada mudou. Mas a maioria dos consumidores acredita que sua vida melhorou e continuará melhorando nos próximos anos", constatou o economista Marcel Solimeo, coordenador do levantamento.

 

A série de entrevistas, dividida em categorias socioeconômicas, apontou ainda que a melhora no bolso dos paulistanos foi observada em todas as classes sociais, com destaque para os estratos A e B, nos quais 75,2% dos consumidores verificaram melhora em sua situação financeira. Nas classes C e D, 67,6% e 57,1%, respectivamente, constataram progresso no ano passado ante 2008. A maior porcentagem de paulistanos que acredita ter havido piora em relação ao ano passado é observada nos grupos D e E (21,9%). Nas classes A e B, apenas 8,4% viram suas economias diminuírem em 2009.

 

Confiança

 

A ACSP também divulgou o resultado de novembro do Índice Nacional de Confiança (INC). O indicador cresceu dois pontos porcentuais ante outubro deste ano, passando dos 136 pontos para 138, mas registrou queda em relação ao mesmo mês do ano passado (140 pontos). Na análise por regiões, a Norte e Centro-Oeste seguem como as mais confiantes, com 157 pontos, seguida pela Sul (152 pontos), Sudeste (145) e Nordeste (109). Quanto às classes sociais, a C continua liderando como a mais otimista, com 148 pontos. Em seguida, figuram os grupos D e E (129 pontos) e A e B, que registram 128 pontos.

Tudo o que sabemos sobre:
confiançaconsumidor

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.