carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Consumidora inadimplente foi constrangida

Fazer compras com cartão de crédito e rolar a dívida com juros que chegam a 13% ao mês podem empurrar o consumidor rapidamente à inadimplência. Esse foi o caso que ocorreu com a secretária Márcia Teresa Spada, que em março tinha uma dívida com o cartão Unibanco no valor de R$ 1.289,13 e, impossibilitada de arcar com o pagamento mínimo mensal, viu o saldo total de débito quase dobrar em apenas sete meses, perfazendo um total de R$ 2.422,00. Ela recebeu cartas de cobrança da empresa e teve o nome incluído na lista de devedores do Serviço de Proteção ao Crédito (SCPC). Mas o que a deixou realmente irritada foi o fato de pessoas que se dizem funcionários do departamento jurídico do cartão Unibanco telefonarem periodicamente para o local onde trabalha para fazer a cobrança e comentar o caso com as colegas que trabalham com ela. Márcia conta que sofreu ameaças, entre elas a de que um oficial de Justiça iria à sua casa para levar seus bens pessoais. Por intermédio da Assessoria de Imprensa do Unibanco, a empresa se pronunciou informando que o processo de cobrança é realizado até que a dívida seja paga ou o acordo celebrado. Diz ainda que o cartão Unibanco não tem por prática informar a terceiros o motivo dos contatos realizados, pois adota como premissa básica o sigilo bancário e o resguardo da integridade creditícia de seus clientes.

Agencia Estado,

11 de novembro de 2002 | 18h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.