seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Consumidores do Rio e SP não sofrem com a falta de gás

Petrobras retoma fornecimento integral do insumo ao Estado do Rio, após decisão do Tribunal de Justiça

Kelly Lima, da Agência Estado,

31 de outubro de 2007 | 11h02

Os consumidores de São Paulo e Rio de Janeiro ainda não foram afetados pelo racionamento de gás anunciado na terça-feira pela Petrobras.   Veja também: Justiça determina retomada no fornecimento de gás para o Rio Petrobras corta gás natural para SP e Rio   Em São Paulo, a Comgás divulgou comunicado afirmando que as medidas não interferem no consumo dos consumidores residenciais e de pequeno comércio, "os quais sempre terão garantia de abastecimento".   No comunicado, a distribuidora afirma que procurou reduzir o volume recebido em até 1 milhão de metros cúbicos/dia, negociando com um grupo restrito de clientes consumidores de grandes volumes a substituição de seu insumo energético pelo óleo combustível.   A alternativa se baseou em proposta da própria Petrobras, por meio da qual a estatal dará suporte aos impactos financeiros decorrentes da substituição do insumo energético de clientes da Comgás. "Desta forma, Petrobras, Comgás e esse grupo restrito de clientes estão, de forma negociada e estruturada, viabilizando o contingenciamento temporário do gás natural solicitado pela Petrobras", diz a nota.   No Rio, a Petrobras retomou o fornecimento integral de gás por volta das 12h30, após decisão da Justiça em favor do governo do Estado. A empresa não informou se vai recorrer.   Segundo a CEG, companhia distribuidora de gás no Rio, pelo menos 1,3 milhão de metros cúbicos deixariam de ser entregues nesta quarta no Estado, o que representa um corte de 17% no suprimento.   De acordo com a assessoria de imprensa da empresa, os consumidores e o comércio seriam os últimos a ser afetados pela falta de gás. Antes disso, indústria e postos de combustível teriam seu fornecimento reduzido.   Nesta manhã, antes da retomada do fornecimento,  empresas do setor químico e de vidros tiveram de fechar as fábricas no Rio. Além disso, 89 dos 462 postos de Gás Natural Veicular (GNV) da região ficaram sem combustível para atender os consumidores.   A Petrobras informou na terça-feira ao mercado que havia sido obrigada a cortar seu fornecimento devido à expansão do consumo e à oferta restrita do gás natural.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrasgás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.