Consumidores dos EUA ficam mais pessimistas em outubro

A confiança do consumidornorte-americano diminuiu pelo terceiro mês consecutivo emoutubro, caindo para o menor nível desde que o furacão Katrina,em 2005, elevou o preço da gasolina e a crise imobiliária seagravou. A forte queda da confiança pegou os economistas desurpresa. O índice do Conference Board recuou para 95,6, antedado revisado de 99,5 em setembro. A previsão de analistas erade uma leitura de 99,0 pontos. "Está em curso uma deterioração bem profunda da confiança",disse Pierre Ellis, economista da Decision Economics. "Osconsumidores estão definitivamente ficando mais pessimistas. Aquestão é se isso vai se refletir nos seus gastos." Os dados torna ainda mais difícil a já complicada decisãodo Federal Reserve nesta semana. O banco centralnorte-americano pode reduzir novamente a taxa de juro em meioaos sinais conflitantes de crescimento em baixa e inflação emalta. Os preços do petróleo, que atingiram o recorde de quase94 dólares na segunda-feira, são uma preocupação importante. A medida de confiança ficou no menor nível desde outubro de2005, pouco após a devastadora tempestade que atingiu a costado Golfo, forçando uma alta da gasolina e comprometendotemporariamente o crescimento econômico. Lynn Franco, diretor do grupo privado de pesquisa sobre oconsumo, disse que a fraqueza adicional nas condiçõesempresariais pode "muito bem ser um presságio para umcrescimento mais fraco do emprego nos próximos meses."

PEDRO NICOLACI DA COSTA, REUTERS

30 de outubro de 2007 | 15h48

Mais conteúdo sobre:
MACROEUACONFIANCAATUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.