Consumidores e imóveis mostram quadro melhor nos EUA

A confiança do consumidornorte-americano se recuperou em julho do menor nível em 28 anose o investimento empresarial subiu inesperadamente no últimomês, segundo dados divulgados nesta sexta-feira que mostraramsinais de resistência da economia dos Estados Unidos. Dados do turbulento mercado imobiliário também contribuírampara melhorar o quadro. As vendas de novas moradias em junhonão foram tão fracas quanto se esperava, embora poucos duvidemque ainda levará tempo para o setor se recuperar da maior crisedesde a Grande Depressão. Uma pesquisa da Reuters e da Universidade de Michiganmostrou que o índice final de confiança do consumidor subiupara 61,2 em julho, frente a 56,4 em junho. A leitura de junho era a menor nível desde os 51,7 de maiode 1980. Analistas viram diversos motivos para não acreditar em umarecuperação de longa duração na confiança do consumidor,observando uma forte ligação entre a melhora do índice e opacote de estímulo econômico do governo e a queda dos preços deenergia --e ambos podem ser apenas temporários. "É cedo demais para dizer que mudamos de direção pois asrestituições de impostos são temporárias", afirmou Gary Thayer,economista sênior da Wachovia Securities. "Nós estamos tendo alguma queda nos preços de energia, masestamos entrando na temporada de furacões. Então existe o riscode os preços voltarem a subir se houver grande furacões." CASAS NOVAS As vendas de moradias novas caíram 0,6 por cento em junho,para um ritmo anual de 530 mil unidades. Economistaspesquisados pela Reuters esperavam que as vendas caíssem para500 mil frente ao dado anteriormente divulgado de 512 mil emmaio. A concessora de hipotecas Freddie Mac divulgou que suacarteira de hipotecas subiu a uma taxa anual superior a 33 porcento em junho, para aproximadamente 792 bilhões de dólares. O ritmo em que a Freddie Mac e sua concorrente Fannie Maeexpandem suas carteiras é visto como essencial num momento emque o governo confia nas duas empresas para estabilizar omercado imobiliário. As preocupações dos investidores são se a Freddie Mac eFannie Mae possuem capital suficiente para continuar comprandohipotecas a um ritmo rápido, à medida que as perdas se acumulamcom as crescentes taxas de inadimplência. O Senado norte-americano votou nesta sexta-feira paralimitar o debate sobre a lei que visa impulsionar o mercadoimobiliário e as concessoras de hipotecas Fannie Mae e FreddieMac, pavimentando o caminho para uma aprovação final no sábado. Enquanto isso, os novos pedidos de bens duráveisnorte-americanos subiram inesperadamente em junho, com alta nasencomendas de defesa, enquanto uma medida de investimentoempresarial também veio acima do esperado. As encomendas de bens-duráveis subiram 0,8 por cento emjunho, após alta de 0,1 por cento revisada em maio. Excluindobens de defesa e aviões, subiram 1,4 por cento após queda de0,1 por cento revisada em maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.