Consumidores estão gastando mais no Natal

Este ano as lembrancinhas de Natal devem dar lugar aos presentes mais caros. O crescimento das vendas de bens duráveis, como televisores, DVDs, computadores, puxadas pelo crédito, é um indicador disso. Nos últimos 12 meses até novembro, esse segmento acumula alta de 15,9% na receita e, no mês passado, cresceu 5,75% ante outubro, segundo pesquisa da FCESP que considera as variações sazonais.O Serviço Central de Proteção ao Crédito (SCPC), termômetro da venda a prazo, até o dia 14 acumulava alta de 6,9% em relação ao mesmo período de 1999 e o Telecheque, indicador da venda à vista, de 7,3%. Segundo o economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), nos Natais em que predominaram os presentes de baixo valor o Telecheque se destacava visivelmente sobre o SCPC. "Este ano, com os juros mais baixos e prazos alongados, a venda a crédito, de maior valor está favorecida", afirma. A estimativa da ACSP, com base nos cheques e em conversas com lojistas, é de que o valor médio dos presentes oscile entre R$ 40 e R$ 50. Mesmo em lojas de comércio popular, como as da Rua 25 de Março, o valor das compras tem sido maior. Segundo o vice-presidente da União dos Lojistas da 25 de Março e Adjacências (Univinco), Alexandre Navarro, em 1999, os presentes mais vendidos custavam entre R$ 5 e R$ 6. Neste ano, o valores giram em torno de R$ 20.

Agencia Estado,

18 de dezembro de 2000 | 20h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.