Consumidores optaram por quitar dívidas em junho

Os brasileiros que receberam o dinheiro da correção do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e da restituição do Imposto de Renda (IR) aproveitaram para quitar, no mês passado, as suas dívidas no cheque especial, cartão de crédito e crédito pessoal. Foi o que revelou os dados divulgados hoje pelo Banco Central sobre operações de crédito do Sistema Financeiro em junho. As concessões de créditos para as pessoas físicas tiveram uma queda de 7,6% no mês. Segundo o chefe do Departamento Econômico (Depec) do Banco Central, Altamir Lopes, a redução dessas operações está influenciada pela liberação de recursos oriundos do FGTS e do IR, que contribuiu para a menor utilização do crédito bancário. "Esse é um ponto muito positivo porque as taxas dessas operações são muito elevadas", destacou o chefe do Depec, ressaltando que esse movimento contribuiu para a redução da inadimplência. O volume de operações com cheque especial feito pelas pessoas físicas tiveram uma queda de 3,4% em junho. As novas concessões com esse tipo de empréstimo caíram 5,5%. As concessões de operações de crédito pessoal sofreram uma queda ainda maior, de 12,3%. As concessões com cartão de crédito caíram em junho 5,7%. A maior queda foi para novos empréstimos para compra de automóveis, que tiveram uma retração de 20,9%. Esse recuo reflete também o fim das promoções de juro zero para a compra de veículos.

Agencia Estado,

24 de julho de 2002 | 15h01

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.