Consumidores terão melhores serviços de telefonia em 2013, diz Bernardo

Segundo o ministro das Comunicações, melhoria das operadoras não vem no curto prazo; Anatel chegou a suspender a habilitação de novos chips durante 11 dias em julho deste ano

14 de dezembro de 2012 | 15h09

SÃO PAULO - O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta sexta-feira, 14, que os consumidores das operadoras de telefonia do Brasil "terão melhores serviços em 2013". "Estamos consolidando as normas sobre qualidade nesse momento, que passaram a ser monitoradas após o episódio da suspensão das vendas", disse a jornalistas antes de participar de almoço promovido pela Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica (Abinee).

Segundo o ministro, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) está fazendo o balanço das primeiras iniciativas das teles para melhoria dos serviços, que foi condição para retomada das vendas após a suspensão por 11 dias no final de julho, e reconheceu o "esforço" das operadoras nessa iniciativa. No entanto, ressaltou que as empresas "vão seguir sob monitoramento".

"Sabíamos que a melhoria não viria no curto prazo, mas acredito que se restabeleceu a confiança de que as empresas vão resolver", disse, ao ser questionado sobre o resultado do primeiro relatório trimestral da Anatel, que apontou que os serviços das teles ainda não evoluíram o suficiente. "Com certeza, no próximo relatório, vão avançar mais", disse.

O ministro disse ainda que a desoneração de tributos para os aparelhos de smartphones, que seria para dispositivos de até R$ 1 mil, poderá subir para o limite de R$ 2 mil. Essa demanda é dos Ministérios da Ciência e Tecnologia e Educação, afirmou. Segundo ele, isso poderia ocorrer também para contemplar aparelhos que serão compatíveis com a tecnologia de 4G.

"O que está emperrando é o impacto fiscal", declarou, argumentando que, com uma faixa maior de preços de desconto, o impacto tributário seria maior. A avaliação de Bernardo é de que o ideal seria "priorizar" a desoneração para aparelhos de até R$ 1 mil.

Bernardo acrescentou que ainda confia na possibilidade de que essa desoneração entre em vigor até o final deste ano.

Crescimento

Paulo Bernardo avaliou que os resultados da economia brasileira em 2012 ficaram abaixo dos esperados pelo governo federal. "Temos a consciência de que não atingimos os resultados esperados, pelos componentes da crise internacional".

Segundo Bernardo, as metas do governo para 2013 são seguir com medidas já implementadas neste ano, no sentido de incentivar a produção e o investimento com desoneração de tributos. Um dos focos, destacou Bernardo, é a melhoria da infraestrutura.

Especialmente no setor de telecomunicações, Bernardo ressaltou as medidas adotadas de exigência de conteúdo nacional mínimo para equipamentos. Ele lembrou o início das operações com a tecnologia de quarta geração (4G), que exigirá um número maior de antenas de transmissão de radiofrequências.

"Este será um bom problema para a indústria, que demandará um maior número de antenas (pelo 4G). E a indústria nacional poderá atender com qualidade", avaliou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.