Consumo das famílias cai com renda menor e crédito baixo

A queda na renda real dos trabalhadores e a indisponibilidade de crédito são os principais fatores responsáveis pela nova queda do consumo das famílias no Produto Interno Bruto (PIB) do País, segundo avalia o gerente da Coordenação de Contas Nacionais do IBGE, Roberto Olinto. O consumo das famílias caiu 0,2% no terceiro trimestre ante o segundo e teve queda de 3,7% na comparação com igual trimestre do ano passado. Foi a quinta queda consecutiva na comparação com trimestre imediatamente anterior e o nono recuo consecutivo ante igual trimestre do ano anterior. Comunicação tem primeira queda O setor de Comunicações apresentou no terceiro trimestre deste ano a primeira queda em toda a série trimestral do Produto Interno Bruto (PIB) do IBGE. Houve redução de 1% no PIB do setor ante igual trimestre do ano anterior. Roberto Olinto explicou que os dados da telefonia móvel passaram a ser contabilizados no grupo Comunicações - que antes só contava com as informações da telefonia fixa - no terceiro trimestre, mas os dados da telefonia celular não foram suficientes para contrabalançar a queda da telefonia fixa. Enquanto na média o segmento de celulares (que pesa apenas 30% no segmento de telefonia no PIB) apresentou aumento de 10%, a telefonia fixa (para a qual não há uma variação média) registrou queda de 3% nos minutos tarifados nacionais e redução de 10% nas tarifas internacionais, sempre na comparação ao terceiro trimestre de 2002. Construção caiu 10,9% As restrições ao crédito habitacional e a queda na renda das famílias foram os principais fatores apontados pelo economista Roberto Olinto para as retrações da construção civil no PIB do terceiro trimestre. Na comparação com igual período do ano passado, a construção apresentou queda de 10,9%, após amargar reduções de 11% no segundo trimestre e de 0,9% no primeiro trimestre nessa base de comparação. No ano, a construção civil registrou queda acumulada de 7,7% até o terceiro trimestre. A construção é um dos segmentos que entram no cálculo do desempenho do setor industrial no PIB, além das indústrias extrativa mineral e de transformação. Para ler mais sobre o PIB do trimestre: PIB brasileiro cresce 0,4% no terceiro trimestre Consumo das famílias cai 3,7%; indústria cresce 2,7%IBGE explica por que houve grande diferença entre o PIB e as previsões do mercado

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.