Consumo de cimento cai 10%

O consumo de cimento no Brasil registrou queda de 10,04% no primeiro semestre deste ano, em relação a igual período do ano passado. A maior retração foi na região Nordeste, com queda de 15,34%, segundo dados do Sindicato Nacional da Indústria do Cimento (SNIC). ?Isso está ligado diretamente à queda do poder aquisitivo da população?, disse ao Estado o secretário-executivo do Sindicato, José Otávio Carvalho. A queda atingiu, inclusive o chamado ?autoconsumo?, que representa cerca de 40% do total brasileiro.Carvalho não está otimista quanto a uma recuperação a curto prazo. ?Não há nenhum fato novo que indique alguma retomada?, disse. Segundo ele, o setor está trabalhando com cerca de um terço de capacidade, pois pode produzir até 60 milhões de toneladas de cimento por ano e a produção deste ano deve ficar em 35 milhões de toneladas.O secretário-executivo do Sindicato do Cimento defende que o governo desenvolva política específica para o setor de infra-estrutura e habitação. A vantagem é que cria emprego ?de imediato? e não pressiona o balanço de pagamentos, já que a produção é quase toda no mercado interno. ?Sem investimento público, o setor não se desenvolve?, afirmou Carvalho.No caso de habitação, por exemplo, o sindicato estima um déficit de 6,6 milhões de moradias no País, especialmente nos segmentos de baixa renda. Carvalho considera necessário algum tipo de subsídio para esse tipo de construção. Ele concorda, porém, que o estágio atual do País dificulta esses investimentos, especialmente devido às limitações ao setor público criadas pelo acordo com o FMI. ?Estamos presos nesses acordos, mas o País precisa buscar soluções?, afirmou. Segundo Carvalho, o cimento é o segundo produto mais consumido no mundo, abaixo apenas da água.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.