Consumo de combustíveis em 2006 é metade do esperado

As vendas de derivados de petróleo pelas distribuidoras atingiram 7,63 bilhões de litros em novembro passado, com aumento de 2,28% em relação a novembro de 2005, segundo dados divulgados nesta quarta-feira pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). Com isso, o acumulado no ano registrou aumento de 1,61%, o que é cerca de metade do previsto no início de 2006 pelos técnicos da Petrobras. Os dados da ANP mostram que, após a reação no consumo registrada em outubro, a recuperação não se manteve em novembro. Em outubro a ANP registrou aumento de 7,32% sobre igual período de 2005, após queda no período de junho a setembro em relação ao mesmo período do ano anterior. O consumo de derivados de petróleo tem forte aderência à evolução da economia como um todo.O volume de óleo diesel vendido em novembro somou 2,853 bilhões de litros, com queda de 15,01% em relação ao observado 12 meses antes. O diesel é o principal derivado do petróleo comercializado no País. Em relação ao mês anterior (outubro) houve queda de 7,41%, fazendo com que o total acumulado nos 11 meses de 2006 tenha ficado 5,43% abaixo do de igual período de 2005. No caso do óleo combustível, também muito utilizado pela indústria, o volume comercializado em novembro somou 459 milhões de litros, com aumento de 7,73% em relação a novembro de 2005. Em relação a outubro, houve queda de 1,28% e o total em 11 meses acumula contração de 2,03%. Devido a problemas no suprimento de gás natural no período de seca, a Petrobras aumentou a geração de energia elétrica a partir do óleo combustível nos últimos do ano passado.Dos oito combustíveis acompanhados regularmente pela ANP, o álcool hidratado tem se destacado pela forte expansão e o consumo bateu recorde em novembro, ao atingir 558 milhões de litros. Em relação a novembro de 2005, o aumento nas vendas foi de 31,10%, com expansão acumulada no ano atingindo 25,66%. As vendas de álcool hidratado cresceram de forma constante ao longo de todo o ano passado, beneficiadas pela demanda dos carros bicombustíveis (gasolina e álcool) e a evolução mais favorável nos preços do produto.A gasolina C, que tem 23% de mistura de álcool anidro, registrou queda de 0,33% em novembro em relação ao mesmo mês de 2005. Em relação ao mês anterior (outubro), a queda de foi de 4,78%, com o acumulado no ano registrando aumento de 1,80%. O total comercializado em novembro atingiu 1,912 bilhão de litros, registrando a terceira queda consecutiva no consumo, após atingir o recorde de 2,062 bilhões em agosto. A gasolina C é o segundo derivado de petróleo mais comercializado no País, só perdendo para o óleo diesel.A comercialização de GLP, ou gás de cozinha, atingiu o equivalente a 988 milhões de litros em novembro, com aumento de 3,98% em relação ao mesmo mês de 2005. Em relação a outubro, houve queda de 1,45%, mas o acumulado em 11 meses (janeiro a novembro, sobre igual período de 2005) atingiu 1,80%, pelos dados da ANP. O produto está sem reajuste de preços há quatro anos, mas o consumo tem se mantido estável nos últimos dois anos.O consumo de querosene de aviação somou 370,5 milhões de litros, com queda de 0,49% em relação a novembro de 2005. Em relação ao mês anterior houve queda de 0,64%, fazendo com que o total acumulado no ano ficasse praticamente estável, com variação de apenas 0,39%. Os outros dois combustíveis acompanhados pela ANP (gasolina de aviação e querosene iluminante) têm volumes apenas residuais e ambos registraram queda, caindo 32% e 23%, respectivamente, sobre o mesmo mês do ano anterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.