Consumo de energia no Brasil registra recorde absoluto

O consumo total de energia elétrica no País somou 415.865 GWh em 2006 (415,9 Terawatt/h), com expansão de 3,86% sobre o registrado em 2005. Esse patamar é recorde absoluto na história do País, situando o mercado brasileiro entre os maiores do mundo.Em 2005, conforme levantamento da empresa britânica BP, o Brasil estava na nona posição mundial, abaixo do registrado pelos Estados Unidos (4.239 TWh), China (2.475 TW/h), Japão (1.134 TW/h), Rússia (952 TW/h), Índia (679 TW/h), Alemanha (619 TW/h), Canadá (594 TW/h) e França (594 TW/h).O consumo brasileiro de energia elétrica é pouco inferior ao registrado no continente africano, que totalizou a geração de 546 TW/h em 2005, conforme os dados da BP e está acima também do registrado por alguns países desenvolvidos. No Reino Unido o consumo somou 399 TW/h, na Coréia do Sul (395 TW/h), Itália (302 TW/h) e Espanha (292 TW/h).Ao contrário desses países, onde a geração elétrica resulta da queima de combustíveis fósseis (carvão ou derivados de petróleo) ou energia nuclear (França), no Brasil mais de 90% do consumo nacional vem das hidrelétricas. Apenas o Canadá e a Noruega têm matrizes elétricas semelhantes à brasileira, com base em energia renovável.DezembroNo último mês do ano, o consumo de energia cresceu 5,25% em relação a dezembro de 2005, conforme dados preliminares do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) obtidos pela Agência Estado. O consumo médio ficou em 48.397,8 MW médios, o que representa acréscimo de 0,2% sobre o mês anterior (novembro), que havia contabilizado 48.301,7 MW médios. Em termos absolutos, o consumo de dezembro ficou 2.409 MW médios acima do registrado um ano antes, o que está dentro das projeções do governo. O dado de dezembro mostra aceleração no consumo de energia pelo segundo mês consecutivo. Em novembro, o índice de variação havia sido de 4,89% sobre novembro de 2005, acima dos 2,66% de outubro (sobre outubro de 2005) e dos 3,53% de setembro (sobre setembro de 2005). Tradicionalmente há forte aderência à expansão da atividade econômica, especialmente do setor industrial, com o consumo de energia elétrica. Os dados do ONS mostram que o ano passado começou em ritmo acelerado, com expansão de 5,23% em janeiro, 5,90% em fevereiro e 4,28% em março, quando atingiu o recorde absoluto na história do País, alcançando 49.346 MW médios. No trimestre seguinte, porém, houve forte desaceleração, registrando queda de 0,96% em abril, aumento de 2,67% em maio e de 2,73% em junho.Os dados do ONS mostram que o maior aumento na carga nos últimos dois meses foi na região Sudeste. Em dezembro, por exemplo, o consumo foi 5,55% acima do observado em dezembro de 2005. A região Norte, que puxou o crescimento até o primeiro semestre, registrou menos força nos últimos meses do ano passado. A expansão na região está diretamente vinculada às atividades das grandes mineradoras de alumínio, que respondem por mais de metade do consumo regional. A região Sul continua abaixo da média nacional (aumento de 3,34% em dezembro, sobre dezembro de 2005), refletindo o baixo ritmo econômico da região. No Nordeste, a expansão ficou em 5,86% sobre dezembro de 2005, ligeiramente acima da média nacional.Matéria alterada às 14h42 para acréscimo de informações

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.