Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Consumo deve puxar alta do PIB no 2º trimestre

Apoiado mais uma vez no bom desempenho do consumo das famílias e em investimentos crescentes, o resultado do Produto Interno Bruto (PIB) deverá vir forte no segundo trimestre do ano. Estimativas de consultorias e bancos indicam alta de 4,9% a 6,1% na comparação com o mesmo período do ano anterior. A última vez em que o PIB trimestral cresceu acima de 5% foi em 2004. Em relação ao trimestre anterior, as projeções variam de 0,8% a 1,2%. A demanda interna está acelerando e a indústria deverá ser o setor de destaque.O dado oficial será divulgado hoje pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As estimativas são da MB Associados, ABN Amro, LCA Consultores, Corretora Convenção, Tendências Consultoria e Credit Suisse. Num levantamento com 30 instituições feito pela Agência Estado, a mediana das projeções de crescimento do PIB ficou em 5,9% sobre o mesmo período em 2006 e em 1,2% sobre o trimestre anterior.Na prática, o PIB trimestral vem crescendo acima de 4% na comparação com o mesmo período do ano anterior desde o terceiro trimestre de 2006. Entre 2005 e 2006, a maior parte das variações do PIB a cada três meses ficou entre 2% e 4%. Ainda assim, alguns economistas analisam que o País não está preparado para avançar, de forma consistente, perto de 5% ao ano, como quer o governo.De forma geral, os economistas estimam que a turbulência global não prejudicará o País em 2007. As maiores preocupações são a inflação e seus efeitos em 2008. Uma das dúvidas é se o País conseguirá aumentar a oferta de produtos e serviços para atender à demanda sem pressão de preços. Caso o Banco Central interrompa a queda dos juros em outubro, não está descartada uma revisão para baixo do PIB de 2008. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

AE, Agencia Estado

12 de setembro de 2007 | 07h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.