Consumo fraco limita reação nos EUA, diz Fed

Livro Bege mostra que economia americana está estável, mas gasto dos consumidores ainda é tímido

Agências internacionais, WASHINGTON, O Estadao de S.Paulo

10 de setembro de 2009 | 00h00

A economia dos Estados Unidos continuou se estabilizando entre julho e agosto, mas os fracos gastos de consumo sugerem uma recuperação contida da recessão, revela o mais recente Livro Bege do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) divulgado ontem. O documento é um sumário das condições econômicas preparado para servir de base para a decisão de política monetária do próximo encontro do Fed, nos dias 22 e 23 de setembro.

"O gasto dos consumidores permaneceu fraco em muitos distritos", disse o documento. As vendas no varejo na maioria das regiões ficaram estáveis, apesar do impulso dado pelo programa Dinheiro por Sucata do governo federal, que permitiu a troca de carros velhos por novos e movimentou o mercado automobilístico.

O consumo é responsável por 70% do Produto Interno Bruto (PIB) americano. Com a cautela nas compras, cai a pressão sobre os preços. Em muitos distritos dos EUA, a inflação segue em queda.

O desemprego ainda avança, apesar de alguns sinais de reação em algumas regiões. "As condições no mercado de mão de obra permaneceram fracas em todos os distritos, mas vários também observaram uma alta nas contratações temporárias e um declínio no ritmo de demissões."

A pressão salarial permaneceu mínima. Vários distritos observaram que as empresas e governos locais impuseram congelamento dos salários e até mesmo a redução das gratificações dos funcionários.

IMÓVEIS

Os mercados de imóveis residenciais permaneceram fracos, mas houve sinais de melhora. A pressão de baixa sobre os preços das residências continuou em muitas áreas. Muitos distritos reportaram que as vendas permanecem estáveis ou abaixo dos níveis de igual período do ano passado. Contudo, Atlanta, Nova York, Cleveland e Minneapolis apuraram alguns ganhos na comparação anual em alguns mercados.

Com relação ao setor bancário, muitos distritos reportaram que os padrões de crédito permanecem apertados. A demanda por empréstimos foi descrita como fraca. A atividade hipotecária caiu modestamente de acordo com os distritos da Filadélfia, Cleveland e Kansas City. Contudo, Dallas observou uma alta na atividade de refinanciamento.

Os empréstimos comerciais e industriais declinaram em algumas regiões. A falta de disponibilidade de crédito é um problema ainda sentido por construtores de imóveis comerciais e residenciais e pelos tomadores de empréstimos de imóveis.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.