carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Consumo irregular de eletricidade gera perda de R$ 8 bi

O consumo irregular de eletricidade gerou uma perda de R$ 8,1 bilhões para as distribuidoras de energia elétrica em 2010. De acordo com levantamento da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o prejuízo não foi só das empresas, uma vez que o valor apurado inclui os impostos que deixaram de ser arrecadados. O órgão regulador não explicitou, entretanto, qual foi o rombo específico para os cofres públicos.

RENATO ANDRADE, Agencia Estado

31 de maio de 2011 | 15h02

A Aneel considera consumo irregular - ou perdas não técnicas - os erros de medição, deficiências no processo de faturamento, falta de medidor, fraudes e os furtos de energia, comumente chamados de "gatos".

A Região Norte é a campeã em consumo irregular de energia elétrica. De acordo com a Aneel, o índice de perdas equivale a 20% da energia distribuída. O Sudeste aparece em segundo lugar, com perda de 10%, seguido de Nordeste (9%), Centro-Oeste (5%) e Sul (3%).

Entre as distribuidoras, a Celpa, do Pará, lidera o ranking de perdas, com uma taxa de 24,4%. A Light, do Rio de Janeiro, tem a segunda colocação, com perdas atingindo 24,2% da energia distribuída. A Eletropaulo aparece em 11º lugar no ranking da Aneel, com perda de 10,8%. A Bandeirante está na 13ª posição, com consumo irregular na casa de 10,1% da energia distribuída.

"As perdas não técnicas impactam a tarifa, pois parte desse prejuízo acaba sendo rateada entre os consumidores legalmente cadastrados na distribuidora, no momento do cálculo tarifário", lembra a Aneel, em nota.

O volume de energia desviado no ano passado equivale a 8% do consumo de eletricidade do chamado mercado cativo brasileiro, composto pelos consumidores que só podem comprar energia da concessionária de distribuição que atua na rede à qual eles estão conectados. O montante seria suficiente, por exemplo, para abastecer os 774 municípios atendidos pela Cemig, em Minas Gerais, e as 217 cidades que recebem energia da Cemar, no Maranhão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.