Conta corrente tem superávit de US$ 116 milhões

A conta corrente do balanço de pagamentos apresentou em março um superávit de US$ 116 milhões. O valor divulgado hoje pelo Departamento Econômico do Banco Central (Depec) é o melhor desde janeiro último, quando a conta corrente apresentou um superávit de US$ 163 milhões. Em fevereiro último, a conta corrente havia registrado um déficit de US$ 197 milhões. Em março de 2002 o déficit em conta corrente foi de US$ 1,010 bilhão. No primeiro trimestre do ano, a conta corrente fechou com um superávit de US$ 82 milhões (0,08% do PIB). Em igual período do ano passado, a conta corrente do balanço de pagamentos tinha registrado em déficit de US$ 3,267 bilhões (3,05% do PIB). No período acumulado em 12 meses até março último, o déficit em conta corrente estava em US$ 4,347 bilhões (0,96% do PIB). Esta é a primeira vez, desde janeiro do ano passado, que o déficit em conta corrente acumulado em 12 meses fica abaixo de 1% do PIB. Em fevereiro último, o déficit acumulado em 12 meses estava em US$ 5,472 bilhões, que correspondiam a 1,21% do PIB. Em março do ano passado o déficir em 12 meses era US$ 19,814 bilhões, que equivaliam a 4,01% do PIB. Conta de capital e financeira A conta de capital e financeira do balanço de pagamentos teve, em março, superávit de US$ 3,548 bilhões. O resultado foi alcançado graças ao ingresso do empréstimo de US$ 4,1 bilhões do FMI. Em fevereiro, o superávit da conta de capital e financeira tinha ficado em US$ 194 milhões, enquanto que, em março do ano passado, o resultado positivo havia sido positivo em US$ 2,051 bilhões. No primeiro trimestre do ano, o superávit na conta de capital e financeira ficou em US$ 3,451 bilhões. Em igual período do ano passado, o superávit da conta de capital e financeira tinha sido de US$ 4,846 bilhões. Balanço de pagamentosO balanço de pagamentos, também em consequência do ingresso dos recursos do FMI, apresentou em março superávit de US$ 3,725 bilhões, ante déficit de US$ 453 milhões registrado em fevereiro. No primeiro trimestre do ano, o balanço de pagamentos fechou com superávit acumulado de US$ 3,986 bilhões. Em igual período do ano passado, o superávit do balanço de pagamentos tinha sido de US$ 1,136 bilhão. Remessas As remessas de lucros e dividendos fecharam o mês de março em US$ 512 milhões. O valor é superior aos US$ 261 milhões de fevereiro e também está acima dos US$ 489 milhões, de março do ano passado. No primeiro trimestre, as remessas de lucros e dividendos ficaram em US$ 893 milhões. Em igual período do ano passado, as remessas somaram o equivalente a US$ 711 milhões. As despesas com pagamento de juros externos, em março, foram de US$ 711 milhões. Esse valor é inferior aos US$ 981 milhões de fevereiro e também está abaixo dos US$ 754 milhões de março do ano passado. As despesas com pagamento de juros externos no primeiro trimestre foram de US$ 2,629 bilhões. Em igual período do ano passado essas despesas ficaram em US$ 2,844 bilhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.