Conta corrente teve superávit de US$ 1,221 bi em setembro

As transações correntes brasileiras fecharam o mês de setembro com um superávit de US$ 1,221 bilhão, de acordo com os dados divulgados hoje pelo Departamento Econômico (Depec) do Banco Central (BC). O bom resultado apurado foi puxado pelo desempenho da balança comercial, que registrou no mês passado um superávit de US$ 2,480 bilhões, segundo explicam os técnicos do Depec. A conta capital e financeira registrou, por sua vez, um déficit de US$ 614 milhões. Os investimentos estrangeiros diretos somaram US$ 1,236 bilhão. No acumulado de janeiro a setembro, a conta corrente registra um déficit de US$ 7,289 bilhões e no período de 12 meses terminados em setembro, o déficit acumulado é de US$ 13,062 bilhões, o equivalente a 2,81% do Produto Interno Bruto (PIB). Os investimentos estrangeiros diretos somam de janeiro a setembro US$ 12,665 bilhões. No acumulado em 12 meses, esses investimentos totalizam 19,841 bilhões ou 4,27% do PIB, o que significa que esses recursos são mais do que suficientes para financiar o déficit acumulado no mesmo período nas transações correntes. Projeção de déficit em conta corrente cai O Banco Central reduziu mais uma vez suas projeções para o saldo das transações correntes de 2002 e 2003. De acordo com os novos números das projeções do balanço de pagamentos, a conta corrente este ano terá um déficit de US$ 11 bilhões ou 2,42% do Produto Interno Bruto (PIB). A projeção anterior era de um déficit de US$ 14 bilhões, o equivalente a 2,85% do PIB. Para 2003, o BC estima que a conta corrente terá um déficit de US$ 8,958 bilhões (1,86% do PIB) ante US$ 12,750 bilhões (2,45% do PIB) projetados no mês passado. A redução dessas projeções está diretamente atrelada às boas expectativas do BC quanto ao comportamento da balança comercial brasileira. De acordo com as projeções do BC, a balança comercial deverá fechar este ano com um superávit de US$ 11 bilhões.Para 2003, a projeção é de um superávit comercial de US$ 15 bilhões. Até o mês passado, o BC estimava que o saldo comercial de 2002 seria de US$ 9 bilhões e, no caso de 2003 a projeção era de um saldo positivo de US$ 12 bilhões. Pelas novas projeções, o BC acredita que as exportações brasileiras somaram este ano US$ 59,2 bilhões enquanto que as importações serão de US$ 48,2 bilhões. Para 2003, a estimativa é de que as exportações totalizarão US$ 65 bilhões enquanto que as importações serão de US$ 50 bilhões.O BC também aumentou em US$ 1 bilhão sua estimativa para o volume total de ingresso de investimentos estrangeiros diretos no país este ano. Até agosto, o BC projetava um ingresso de US$ 15 bilhões desses investimentos em 2002 e agora estima a entrada de US$ 16 bilhões. Para 2003, o BC manteve sua projeção anterior, que é de um ingresso de US$ 16 bilhões, mesmo valor esperado para este ano. As novas projeções incluem ainda uma queda na estimativa para os gastos líquidos com juros este ano, que passaram de US$ 14,064 bilhões para US$ 13,941 bilhões. Ficou mantida em US$ 14,748 bilhões a estimativa para esses gastos em 2003. No caso da remessa de lucros e dividendos, o BC manteve as projeções anteriores, uma remessa líquida de US$ 5,057 bilhões em 2002 e de US$ 5 bilhões em 2003.

Agencia Estado,

24 de outubro de 2002 | 11h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.