Conta investimento eleva operações de curto prazo do Tesouro

A entrada em vigor da conta investimento gerou um aumento no volume de dinheiro na mão das instituições financeiras em setembro. Diante da expectativa de uma troca forte das aplicações feitas nos fundos de investimento, os gestores destes instrumentos optaram em manter mais dinheiro em caixa. De acordo com os dados divulgados hoje pelo Tesouro Nacional e o próprio Banco Central, o saldo líquido dos financiamentos tomados pelo Banco Central com prazo de até um mês subiu de R$ 29,48 bilhões, em agosto, para R$ 34,84 bilhões, em setembro."Havia uma preocupação dos fundos com o lançamento da conta investimento e, numa atitude defensiva, os gestores optaram em deixar mais dinheiro em caixa, caso ocorresse um grande movimento nas aplicações por parte dos investidores", explicou o chefe-adjunto do Departamento de Operações do Mercado Aberto (Demab) do BC, Ivan Gonçalves.Ele não informou, contuo, se houve uma redução no giro de curto prazo agora em outubro, mas garantiu que o movimento de troca acentuada de aplicações, esperado pelos gestores de fundos, acabou não ocorrendo.Nas operações com prazo superior a um mês, ao contrário, houve uma queda no volume registrado no mês passado. Enquanto em agosto essas operações conduzidas pelo BC giraram um total de R$ 49,86 bilhões, no mês passado esse volume caiu para R$ 39,25 bilhões.Veja no link abaixo mais detalhes sobre o funcionamento da conta investimento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.