Contas dão conforto para decisão sobre FMI, diz Tesouro

O secretário do Tesouro Nacional, Joaquim Levy, afirmou hoje que a "posição robusta" das contas externas brasileiras é um indicador que dá conforto ao governo quando chegar o momento da decisão sobre a renovação do acordo com o FMI. Principal interlocutor do governo com o FMI, Levy disse que o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, já esclareceu de "maneira cristalina" que a avaliação da extensão ou não do acordo ainda "deverá se dar".O secretário disse que nas conversas que manteve, na semana passada, em Washington, com o Fundo foi dedicada à analise das perspectivas do setor externo do País. "Eu me aventuraria a dizer que a avaliação deles foi muito positivo", disse. Ele considerou muito "bom" o fato das reuniões terem acontecido no momento em que o País fazia uma captação externa de US$ 1,5 bilhão. "E as exportações vão indo muito bem", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.