Thinkstockphotos
Thinkstockphotos

Selic a 2%

Rentabilidade real da poupança entra no negativo. E-Investidor aponta alternativas

Rombo do governo em 2017 fica em R$ 124,4 bilhões

Quarto déficit consecutivo, resultado ficou abaixo da meta para 2017, de R$ 159 bi negativos; secretária diz que ‘não há o que comemorar’

Lorenna Rodrigues e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2018 | 16h03

BRASÍLIA - O déficit primário nas contas do governo federal em 2017 ficou em R$ 124,4 bilhões, anunciou nesta segunda-feira, 29, o Tesouro Nacional, o segundo pior da série histórica, iniciada em 1997. O quarto rombo anual consecutivo, porém, ficou R$ 34,6 bilhões abaixo da meta do ano passado, que admitia saldo negativo de até R$ 159 bilhões. O resultado também foi menor que o déficit de R$ 161,3 bilhões de 2016.

O rombo nas contas públicas significa que as despesas do governo federal em 2017 superaram as receitas com impostos e tributos em R$ 124,4 bilhões, sem considerar os gastos com os juros da dívida público. 

+ Mercado prevê déficit de R$ 153,9 bi nas contas do governo em 2018

Para o diretor executivo do Instituto Fiscal Independente (IFI), do Senado, Felipe Salto, o governo só vai voltar a fechar as contas no azul em 2024 ou 2025, caso a economia cresça em um ritmo de 2,5% a 3%. Para este ano, o economista estima déficit de R$ 155,4 bilhões, menor que os R$ 159 bilhões da meta. 

Considerando somente as contas do Tesouro e do Banco Central, o governo teria tido resultado positivo de R$ 58 bilhões no ano passado, mas esse resultado não foi suficiente para compensar o rombo de R$ 182,4 bilhões na Previdência.

+ Para chefe da Receita, arrecadação reflete início da recuperação econômica

“Esse foi o quarto ano consecutivo de déficit, mas há melhora em relação a 2016. O que propiciou isso foi a queda nas despesas em proporção do PIB em 2017”, avaliou a secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi. “Também houve leve recuperação da receita líquida no ano passado e iniciamos assim um processo de convergência fiscal para resultados melhores.”

 
Os R$ 34,6 bilhões de diferença para a meta decorreram de uma receita líquida R$ 4,6 bilhões superior à prevista e, principalmente, por despesas R$ 30 bilhões menores que as estimadas pelo governo. “A programação orçamentária até julho foi muito apertada porque havia incertezas com relação às receitas, mas no segundo semestre esses riscos não se concretizaram”, explicou Ana Paula.

Ela negou que o governo tenha inflado a meta de déficit primário de 2017, originalmente estipulada em R$ 139 bilhões, mas ampliada para R$ 159 bilhões em agosto. “Não houve folga. Não há o que comemorar com déficit primário de R$ 124,401 bilhões.”

++Empresas brasileiras captam US$ 7,15 bilhões em janeiro

Questionada sobre a execução de despesas R$ 30 bilhões inferior ao previsto, Ana Paula argumentou que a execução no primeiro semestre de 2017 foi apertada devido às frustrações de receitas e aos riscos fiscais para o restante do ano, como as incertezas em torno dos leilões de energia. “Tivemos um aperto enorme nos órgãos no primeiro semestre, mas, na segunda metade do ano, nenhum órgão reclamou que faltaram recursos”, acrescentou.

Ana Paula admitiu que os investimentos do governo caíram a um patamar muito baixo em 2017, menor que o nível de 2006 em proporção do PIB. “Isso ilustra como a expansão do gasto obrigatório reduz o espaço para o governo investir. Isso também implica uma seleção de projetos muito rigorosa, devido à escassez de recursos.”

No Brasil, 93% dos gastos previstos são de execução obrigatória. Em 2017, 101% da receita líquida do governo foi usada para nesse tipo de despesa. “Mesmo se zerássemos as despesas discricionárias, ainda teríamos déficit primário no passado”, concluiu. / COLABORARAM THAÍS BARCELLOS E MARIA REGINA SILVA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.