Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Contas do governo fecham no azul em R$ 28 bilhões em outubro, maior saldo para o mês em 5 anos

Saldo foi o melhor desempenho para o mês desde 2016, quando houve superávit de R$ 51,756 bilhões

Eduardo Rodrigues e Thaís Barcellos, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2021 | 15h15

BRASÍLIA - Com forte crescimento na arrecadação de tributos federais, as contas do governo central registraram superávit primário em outubro, ou seja, fecharam no azul em R$ 28,195 bilhões. O resultado sucedeu o superávit -- quando a arrecadação com impostos supera o pagamento de despesas -- de R$ 303 milhões em setembro. 

O saldo - que reúne as contas do Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central – foi o melhor desempenho para o mês desde 2016, quando houve superávit de R$ 51,756 bilhões, ou seja, em cinco anos.  Em outubro de 2020, o resultado havia sido negativo em R$ 3,419 bilhões.   

O superávit do mês passado foi maior que as expectativas do mercado financeiro, cuja mediana apontava um saldo positivo de R$ 26,150 bilhões, de acordo com levantamento do Projeções Broadcast junto a 18 instituições financeiras. O dado de outubro ficou próximo do teto das estimativas, que iam de superávit de R$ 13,600 bilhões a R$ 29,070 bilhões.

Nos dez primeiros meses do ano, o resultado primário registrou déficit de R$ 53,404 bilhões, o melhor resultado desde 2015 – já considerando valores corrigidos pela inflação. Em igual período do ano passado, esse mesmo resultado era negativo em R$ 680,865 bilhões, devido aos gastos para enfrentar a pandemia de covid-19.

Em outubro, as receitas tiveram alta real de 7,6% em relação a igual mês do ano passado. No acumulado do ano, houve  crescimento de 23,5%.  Já as despesas caíram 15,4% em outubro, já descontada a inflação. No acumulado de 2021, a variação foi negativa em 25,0%. 

Em 12 meses até outubro, o Governo Central apresenta um déficit de R$ 123,2 bilhões - equivalente a 1,4% do PIB. A meta fiscal para este ano admite um déficit de até R$ 247,118 bilhões nas contas do governo central, mas a equipe econômica esperar fechar o ano com um rombo de R$ 95,822 bilhões, conforme nova projeção divulgada no Relatório de Avaliação de Receitas e Despesas da semana passada.

Projeções da dívida melhoram

Com um resultado primário bem melhor que o previsto no começo do ano, o Tesouro Nacional revisou hoje todas as projeções para a Dívida Bruta do Governo Geral (DBGG) e a Dívida Líquida do Setor Público (DLSP) até 2030.

O relatório semestral de projeções da dívida, divulgado há pouco, mostra que a estimativa para o endividamento bruto em 2021 é de 80,6% do Produto Interno Bruto (PIB). No relatório anterior, de abril, a projeção era de 87,2% do PIB. Em 2020, o porcentual foi de 88,8% do PIB.

Para 2022, a estimativa passou de 86,7% para 80,1% do PIB. Para 2023, a projeção mudou de 87,3% para 80,2% do PIB. Para 2024, a estimativa passou de 88,1% para 79,9% do PIB.

A projeção anterior previa o início de uma trajetória de redução da dívida bruta apenas partir de 2026, chegando em 2030 com a DBGG ainda em 83,6% do PIB.

Agora, o Tesouro estima que a dívida bruta caia neste e no próximo ano, volte a subir ligeiramente em 2023 e, de 2024 adiante entre em declínio, chegando em 2030 em 76,6% do PIB.

A Dívida Bruta do Governo Geral - que abrange o governo federal, os governos estaduais e municipais, excluindo o Banco Central e as empresas estatais - é uma das referências para avaliação, por parte das agências globais de classificação de risco, da capacidade de solvência do País. Na prática, quanto maior a dívida, maior o risco de calote por parte do Brasil. No melhor momento da série histórica, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.

Líquida

Já para a dívida líquida, a projeção para 2021 passou de 65,0% para 58,3% PIB. Em 2020, foi 62,7% do PIB.

Para 2022, a previsão passou de 67,1% para 60,8% do PIB. Para 2023, a projeção mudou de 70,0% para 63,3% do PIB. Para 2024, a estimativa passou de 72,4% para 64,7% do PIB.

A dívida líquida apresenta valores menores que os da dívida bruta porque leva em consideração as reservas internacionais do Brasil. A projeção anterior do Tesouro previa o início de uma trajetória de redução da dívida líquida a partir de 2029, chegando em 2030 com a DLSP ainda em 75,4% do PIB.

Agora, o Tesouro estima queda apenas este ano, voltando a subir de 2022 em diante, chegando em 2030 em 68,2% do PIB.

No relatório de abril, a estimativa era de que o Governo Central e o Setor Público Consolidado voltassem a produzir superávits primários em 2027.  Na atualização de hoje, o Tesouro passa a prever que o Governo Central e o Setor Público Consolidado voltem para o azul em 2024. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.