Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Contas do governo fecham setembro no vermelho em R$ 20 bi, mas é o melhor resultado em 4 anos

De janeiro a setembro, o resultado primário foi de déficit de R$ 72,47 bilhões, também o melhor desempenho para o período desde 2015; em igual período de 2018, esse mesmo resultado era negativo em R$ 81,76 bilhões

Lorenna Rodrigues e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2019 | 16h12

As despesas do governo central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) superaram as receitas em R$ 20,37 bilhões em setembro. Embora o resultado seja negativo, é o melhor desempenho para o mês desde 2015 na série histórica, que tem início em 1997. Em setembro de 2018, o resultado havia sido negativo em R$ 23 bilhões.

O resultado de setembro ficou menos deficitário que a mediana negativa de R$ 23 bilhões das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast.

De janeiro a setembro, o resultado primário foi de déficit de R$ 72,47 bilhões, também o melhor desempenho para o período desde 2015. Em igual período do ano passado, esse mesmo resultado era negativo em R$ 81,76 bilhões.

Em 12 meses, o governo central apresenta um déficit de R$ 111,8 bilhões - equivalente a 1,57% do PIB. Para este ano, a meta fiscal admite um déficit de até R$ 139 bilhões nas contas do governo central.

Pelas estimativas do Tesouro Nacional, as contas do governo central só devem voltar ao azul em 2022 ou 2023.

Receitas

O resultado de setembro representa alta real de 5,1% nas receitas em relação a igual mês do ano passado. Já as despesas ficaram praticamente estáveis, com alta real de 0,2%.

No ano até setembro, as receitas do governo central subiram 1,3% ante igual período de 2018, enquanto as despesas caíram 1,1% na mesma base de comparação.

Despesas

As despesas sujeitas ao teto de gastos (mecanismo que atrela o ritmo de crescimento das despesas à inflação) subiram para 3,2% no ano até setembro em comparação com igual período de 2018, segundo o Tesouro Nacional.

Pela regra, o limite de crescimento das despesas do governo é a variação acumulada da inflação em 12 meses até abril do ano passado. Porém, como o governo não ocupou todo o limite previsto em 2018, na prática há uma margem para expansão de até 9,3%.

Até setembro, todos os órgãos estão enquadrados nos limites estabelecidos pela regra do teto de gastos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.