Contas externas ficam no vermelho e BC prevê déficit em 2008

Transações correntes do País com o exterior registram déficit de US$ 1,344 bilhão em novembro, mostra BC

Reuters,

19 de dezembro de 2007 | 10h58

As contas externas brasileiras fecharam novembro no vermelho e para 2008 o Banco Central estima o primeiro déficit anual desde 2002. De acordo com levantamento do BC, divulgado nesta quarta-feira, 18, as transações correntes do País com o resto do mundo registraram déficit de US$ 1,344 bilhão no mês passado, seguindo o saldo negativo de US$ 42 milhões de outubro. Em novembro de 2006, a conta corrente teve superávit de US$ 1,394 bilhão.  Mais uma vez, o resultado foi pressionado pelas remessas de lucros e dividendos, que vêm crescendo há alguns meses por duas razões: o câmbio valorizado e o aumento no estoque de investimentos estrangeiros diretos (IED). Segundo os dados divulgados nesta quarta-feira, essas remessas líquidas somaram US$ 2,131 bilhões, ante US$ 763 milhões no mesmo período do ano passado.  O fato é que, quando o câmbio está valorizado, as empresas podem enviar para suas matrizes no exterior mais dólares a cada real que obtêm de lucro. Além disso, o crescimento do Investimento Estrangeiro Direto (IED) gera um estoque de negócios que, ao produzir lucros, impacta a conta de remessas ao exterior. Os investimentos estrangeiros diretos totalizaram US$ 2,530 bilhões em novembro, frente a US$ 2,667 bilhões em igual mês de 2006. No acumulado de janeiro a novembro deste ano, o IED totaliza US$ 33,730 bilhões, o equivalente a 2,86% do PIB, ante US$ 16,295 bilhões - 1,66% do PIB - em 2006. Já investimentos de brasileiros no exterior somaram US$ 2,439 bilhões, acumulando no ano US$ 3,251 bilhões.  2008 Para 2008, o BC passou a prever déficit em transações correntes de US$ 3,5 bilhões, frente à estimativa anterior de superávit de US$ 3,2 bilhões. O último ano em que o País registrou saldo negativo em conta corrente foi 2002, com déficit de US$ 7,6 bilhões.  O resultado de novembro ficou pior que o previsto por analistas, que estimavam déficit de 800 milhões de dólares, de acordo com a mediana das estimativas ouvidas pela Reuters.  Em 12 meses até novembro, o superávit em transações correntes corresponde a 0,37% do Produto Interno Bruto (PIB), ante superávit de 0,60% em 12 meses até outubro. Dívida A dívida externa total do País atingiu US$ 196,205 bilhões em novembro. Em setembro, último dado fechado, a dívida externa havia atingido US$ 195,331 bilhões. A dívida de curto prazo caiu de US$ 42,768 bilhões, em setembro, para US$ 40,919 bilhões, em novembro. Já a dívida de médio e longo prazos subiu de US$ 152,563 bilhões para US$ 155,286 bilhões.

Tudo o que sabemos sobre:
Contas externasDívidaInvestimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.